Maia defende cautela na avaliação de impeachment e criação de CPIs

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Brasília – O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou que os pedidos de início de um processo de impeachment contra o presidente da República ou eventual criação de CPIs ou CPMIs para apurar as falas do ex-ministro da Justiça, Sergio Moro, sobre suposta intervenção política de Jair Bolsonaro no comando da Polícia Federal (PF) têm de “ser pensados com cuidado”. Maia defendeu que o foco atual da Casa deve orbitar em torno do novo coronavírus.

“Nosso papel é ter paciência e equilíbrio. É legítimo parlamentares tentarem discutir CPI, outros instrumentos, acho que nós temos que ter equilíbrio para tratar do mais importante, a vida dos brasileiros. O que não podemos é que parlamento seja mais um instrumento de crises que tem sido geradas em nosso país”, afirmou Maia a jornalistas.

VERBA PARA ESTADOS E MUNICÍPIOS

O presidente da Câmara dos Deputados disse ainda que a eventual demora para a convergência em torno do texto que versa sobre o auxílio para estados e municípios durante o estado de calamidade pública, cuja qual é tema de diálogo entre o Senado Federal e equipe econômica no dia de hoje, se tiver como resultado acordos entre os parlamentares, não terá problema.

“Estados e municípios vão ter queda de arrecadação muito grande e são eles que tem estrutura de funcionamento, que também participam do enfrentamento da crise. Vamos esperar o texto do Senado para ver”, defendeu Maia.

Ele disse ainda que uma suposta saída do ministro da Economia, Paulo Guedes, no comando da Pasta, pode ser “comunicada de forma negativa pela sociedade”, ao responder o questionamento de um jornalista sobre o tema.