Maia critica meta flexível do governo para 2021

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia,durante sessão que vai discutir e votar os oito destaques com sugestões de mudanças ao texto-base da proposta de emenda à Constituição da reforma da Previdência.

Brasília – O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou há pouco ao chegar na Casa que o deixou “impressionado essa coisa de meta flexível que Paulo Guedes está inventando”, disse. Ontem o ministro da Economia afirmou não haver problemas entre governo e TCU, que contestou a ausência de uma meta fixa para o resultado de contas públicas de 2021.

Na ocasião o ministro afirmou que, com a economia “se firmando e voltando”, haverá possibilidade de rever previsões de receita e anunciar as metas.

No entanto, o presidente da Câmara dos Deputados criticou a postura do governo federal. “Primeira promessa que fizeram era acabar com déficit primário; agora não querem meta para não ter que organizar conigenciamento. Isso é uma sinalização muito ruim”, apontou.

“A gente tem que aprovar e lidar com uma meta. Que o governo diga, assim como o Copom, qual a tendência, e há sempre o risco pela incerteza, de que a meta possa ser reestabelecida durante a execução orçamentária. Agora, não ter meta ou uma meta flexível é uma jabuticaba brasileira”, disse o presidente da Câmara. Por Maia disse que isso mostraria “o tamanho da desorganização do governo”.