Lula ‘recusa’ transferência ao regime semiaberto

121

Por Álvaro Viana

Lula em ato no dia 1 de maio em São Paulo (Foto: Instituto Lula)

Brasília – O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em carta divulgada pela sua defesa, afirmou que “não troco minha dignidade pela minha liberdade”, referindo-se ao pedido feito por procuradores da operação Lava Jato, na sexta-feira passada, de que o ex-presidente passasse a cumprir sua prisão em regime semiaberto por ter cumprido o equivalente a um terço da pena.

“Tudo que os procuradores da Lava Jato realmente deveriam fazer é pedir desculpas ao povo brasileiro, aos milhões de desempregados e à minha família, pelo mal que fizeram à democracia à Justiça e ao país”, diz em carta.

Especialistas acreditam que o pedido dos procuradores da Lava Jato poderia servir como uma antecipação à retomada do julgamento do Supremo Tribunal Federal (STF), marcado para esta quarta-feira (2). Os ministros irão definir como o entendimento da Corte se aplicará aos processos já julgados e às instâncias inferiores. A maioria dos ministros já votou favorável à posição contrária, aberta pelo ministro Alexandre de Moraes.

O julgamento trata sobre a ordem das alegações finais de réus delatados, o que pode vir a mudar o entendimento de algumas decisões proferidas no âmbito da Lava Jato, inclusive à do ex-presidente.

“Diante das arbitrariedades cometidas pelos procuradores e por Sergio Moro, cabe agora à Suprema Corte corrigir o que está errado para que haja justiça independente e imparcial. Como é devido a todo cidadão. Tenho plena consciência das decisões que tomei nesse processo e não descansarei enquanto a verdade e a Justiça não voltarem a prevalecer”, conclui o ex-presidente.