Lucro líquido da Eletrobras recua 19% no 1° trimestre de 2024

176

São Paulo, SP – A Eletrobras divulgou o balanço do primeiro trimestre de 2024 (1T24), com lucro líquido IFRS de R$ 331 milhões, queda de 19% em relação ao mesmo período do ano passado (1T23). O lucro antes juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla
em inglês) ajustado foi de R$ 4,5 bilhões, queda de 19% na comparação anual. Segundo a
companhia, o recuo do Ebitda é reflexo da queda de receita com geração somada ao aumento dos custos operacionais foi parcialmente compensada pelos efeitos positivos de aumento de receita de transmissão e redução de PMSO.

“Em complemento, para uma melhor análise da dinâmica de caixa da Companhia, é recomendado avaliar o desempenho do EBITDA regulatório ajustado. Nesse caso, o aumento de 3% da receita líquida foi alavancado pela redução em custos e despesas, e melhora no resultado de participações societárias, levando a um avanço de 5% no EBITDA, na comparação entre 1T23 e 1T24.

Os avanços registrados na companhia em 2023 prosseguiram nos primeiros três meses de 2024, levando o EBITDA regulatório recorrente ao patamar de R$ 5,4 bilhões, com alta de 5% ante igual período do ano anterior, impulsionado pela melhora do resultado de participações societárias e a redução das despesas operacionais.

“Os resultados apresentados no primeiro trimestre refletem mais uma vez a ampliação da capacidade de investimento e a transformação cultural em curso em todos os segmentos da empresa. Nossa liderança na transmissão é destacada não apenas nos novos projetos, mas também nas reformas e melhorias dos nossos ativos, que refletem nosso compromisso inegociável com a segurança operacional”, afirmou o presidente da Eletrobras, Ivan Monteiro.

A receita líquida foi de R$ 8,7 bilhões, queda de 5% em relação ao primeiro trimestre de 2023. A receita operacional líquida regulatório foi de R$ 9,7 bilhões no primeiro trimestre de 2024, com aumento de 9% em relação ao mesmo período do ano passado.

No 1T24, o resultado financeiro ajustado foi negativo em R$ 2,988 bilhões, ante um resultado negativo de R$ 2,466 bilhões no 1T23.

Como consequência desse compromisso, o Capex do segmento de transmissão somou R$ 627 milhões no primeiro trimestre do ano. A empresa já tem contratado Capex de R$ 16,3 bilhões, gerando uma Receita Anual Permitida (RAP) associada de R$ 2,1 bilhões. Esses números consideram a participação da empresa nos leilões de transmissão de 2022, 2023 e o de 2024, projetos de reforços e melhorias de ativos e o projeto da linha Manaus-Boa Vista (TNE).

No 1T24, os recursos gerados pelas atividades operacionais alcançaram R$ 3,467 bilhões, um aumento de 61% em relação aos R$ 2,147 bilhões registrados no 1T23. O fluxo de caixa livre positivo totalizou R$ 1,659 bilhão no 1T24. A geração de caixa no 1T24 foi utilizada para pagar o serviço da dívida (R$ 3,017 bilhões), realizar investimentos (R$ 1,809 bilhão) e pagar litígios (R$ 953 milhões)

ENDIVIDAMENTO

A dívida bruta alcançou R$ 60,8 bilhões no 1T24, em linha com o 4T23 e um aumento de R$ 2,7 bilhões em comparação ao 1T23. No 1T24 foi captado o montante de R$ 493 milhões em dívidas bancárias. No 1T24, considerando as novas captações/ amortizações e a redução de 100 bps da taxa de juros básica (SELIC), o prazo médio da dívida foi reduzido em cerca de 1,5 mês e o seu custo caiu 58 bps, resultando em um custo médio de CDI + 0,9288% a.a. ao final do período. A relação dívida liquida/ EBITDA regulatório ajustado alcançou 2,0x no 1T24, para fins de covenant a relação dívida líquida/EBITDA é de 2,06x no 1T24 e de 1,95x no 1T23