Lucro líquido ajustado da CCR cresce 184,6% no 4° trimestre de 2023

143
CCR/Foto Divulgação

São Paulo, SP – O Grupo CCR divulgou ontem o balanço do quarto trimestre de2023, com lucro líquido ajustado de R$ 393,9 milhões, alta de 184,6% em comparação com o mesmo
período de 2022. Em 2023, o lucro líquido ajustado somou R$ 1,415 bilhão, alta de 89,9% em comparação a 2022.

O lucro antes juros, impostos, depreciação e amortização (ebitda, na sigla em inglês) ajustado totalizou R$ 1,917 bilhão, alta de 20,1% em relação ao último trimestre de 2022. Em 2023, o Ebitda ajustado chegou a R$ 7,770 bilhões, alta de 13,2%, na comparação anual.

A receita líquida ajustada foi de R$ 3,469 bilhões, alta de 10,3% em relação ao mesmo período de 2022. Em 2023, a receita líquida ajustada ficou em R$ 13,2 bilhões, alta 8,5%, em comparação ao ano de 2022.

A Dívida Líquida consolidada (IFRS) atingiu R$ 23,3 bilhões em dezembro de 2023 e o indicador Dívida Líquida/EBITDA ajustado (últimos 12 meses) atingiu 3,0x.

O tráfego dos veículos comerciais apresentou crescimento de 8,3% no período, destaque positivo para as concessões que são rotas de escoamento agrícola a portos, tais como AutoBAn, SPVias e MSVia, favorecidas pelo forte fluxo de exportação recorde observado neste ano. O desempenho também se deve ao início da cobrança dos eixos suspensos em veículos com o Manifesto Eletrônico de Documentos Fiscais (MDF-e), em todas as rodovias do grupo, exceto ViaLagos, ViaRio e Renovias, representando aproximadamente 4,0% do total de eixos equivalentes comerciais. Já o tráfego de veículos de passeio cresceu 5,8% no período, patamar acima do observado no período pré-pandemia, o que representa nível recorde de movimentação nas concessionárias da companhia.

Na comparação com o último trimestre de 2022, o modal aeroportuário apresentou crescimento de 10% de passageiros em relação ao mesmo período do ano anterior. Destaques para as concessionárias Aeris e Quiport, com a consolidação das rotas internacionais e a retomada da demanda doméstica, em função da maior ocupação das aeronaves e maiores frequências de voos, além da maior ocupação nos voos em Curaçao.

No acumulado de 2023, o investimento do Grupo chegou a R$ 6,2 bilhões, um aumento de 95,7% em relação ao ano anterior. Entre os investimentos realizados estão a continuidade
das obras no Sistema Castello-Raposo; RioSP, na Via Dutra e BR-101; e ViaSul, no Rio Grande do Sul. Na ViaMobilidade – Linhas 8 e 9, a companhia deu continuidade à aquisição de 36 novos trens; às obras de acessibilidade em cinco estações e concluímos a troca de 30 quilômetros de trilhos e 15 mil dormentes. Já em Aeroportos, o período foi marcado pela continuidade das obras da fase 1B, que, entre outros investimentos, contemplaram a ampliação de capacidade dos aeroportos que integram os Blocos Sul e Central.

DIVIDENDOS

A companhia propôs a distribuição de R$ 536,2 milhões de dividendos adicionais aos R$ 316,1 milhões anunciados em outubro do ano passado, totalizando um pagamento de mais de R$ 850 milhões. O tema será submetido à aprovação na assembleia geral extraordinária a ser realizada no próximo mês de abril.