Lucro líq. consolidado da BRF soma R$ 690 mi no 4T19

206

São Paulo – A BRF reportou um lucro líquido consolidado de R$ 690 milhões no quarto trimestre de 2019, alta de mais de 2 vezes na comparação anual, impactado por ações não-recorrentes relacionados à exclusão do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) da base de cálculo do PIS/Cofins.

Em 2019, a empresa reverteu prejuízo visto um ano antes e teve lucro consolidado de R$ 1,2 bilhão.

A receita líquida consolidada somou R$ 9,290 bilhões no trimestre, uma elevação de 12,7%, na comparação anual. No Brasil, a receita líquida subiu 7,4% no período e somou R$ 5,085 bilhões, enquanto no segmento Internacional foi de R$ 3,924 bilhões, elevação de 17,4%, na mesma base de comparação.

O ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado aumentou 67,61% no período e somou R$ 1,413 bilhão. O ebitda ajustado ex-efeitos tributários foi de R$ 1,324 bilhão no trimestre, alta de 2,14 vezes na comparação anual.

O número total de toneladas produzidas pela companhia no quarto trimestre de 2019 foi de 1,173 milhão de toneladas, 1,73% maior que o visto na comparação com o ano passado.

No período, a dívida líquida da empresa era de R$ 13,269 bilhões, queda de 15% na comparação anual. A alavancagem, medida pela relação dívida líquida por ebitda ajustado de 12 meses, era de 2,50 vezes, 51% inferior ao visto na comparação anual.

O fluxo de caixa operacional alcançou R$ 1,068 bilhão no trimestre, alta de 0,09% ante o mesmo período do ano anterior. Já a posição de caixa da empresa era de R$ 5,5 bilhões ao final do trimestre, queda de 99% que o visto no mesmo período do ano anterior.

As despesas operacionais totais aumentaram 9,1% no período e totalizaram R$ 1,560 bilhão, impactadas negativamente por maiores investimentos em marketing para fortalecimentos das marcas, maiores despesas de frete no mercado internacional e gastos com provisões judiciais relacionados a processos trabalhistas anteriores a 2017 no Brasil.

Ao final do trimestre, a companhia atingiu 43,2% de market share em termos de valor consolidado, queda de 2,2 pontos percentuais (pp) ao ano (aa), em função da estratégia de rentabilização da operação via reposicionamento de preços e racionalização de investimentos diretos para o canal do varejo.

BRASIL

A receita operacional líquida no segmento Brasil somou R$ 5,085 bilhões, alta de 7,4% na comparação com o mesmo período de 2018, enquanto o ebitda ajustado subiu 51,3% e totalizou R$ 841 milhões, na mesma base de comparação.

No trimestre, a produção da BRF registrou queda de 2% e alcançou 608 mil toneladas, sendo que a área de processados teve a maior produção do período com 450 mil toneladas, retração de 2,2%.

SEGMENTO INTERNACIONAL

No internacional, a receita operacional líquida somou R$ 3,924 bilhões, alta de 17,4% na comparação anual, enquanto o ebitda ajustado totalizou R$ 571 milhões no período, alta de quase 3 vezes na mesma base de comparação.

A produção registrou alta de 6,3% e alcançou 497 mil toneladas, sendo que aves in natura teve a maior produção do período com 386 mil toneladas, aumento de 3,3%.

HALAL

A receita operacional líquida no mercado Halal somou R$ 2,195 bilhões, alta de 2,4% na comparação com o mesmo período do ano anterior, enquanto o ebitda ajustado totalizou R$ 169 bilhão, queda de 13,7% na base anual.

No período, a produção registrou queda de 0,6% e alcançou 290 mil toneladas, sendo que aves in natura teve a maior produção do período com 252 mil toneladas, aumento de 0,3%.

ÁSIA, ÁFRICA, AMÉRICAS E EUROPA

Nos outros mercados internacionais, que engloba Ásia, África, Américas e Europa, a receita operacional líquida foi de R$ 1,729 bilhão, alta de 44,2% na comparação anual, enquanto o ebitda ajustado subiu mais de 100 vezes e totalizou R$ 401 milhões.

A produção registrou alta de 17,5% e alcançou 208 mil toneladas, sendo que aves in natura teve a maior produção do período com 134 mil toneladas, aumento de 9,5%.

OUTROS SEGMENTOS

A receita operacional líquida em outros segmentos somou R$ 281 milhões, alta de 33,5% na comparação com o mesmo período do ano anterior, enquanto o ebitda ajustado totalizou R$ 45 milhões, queda de 3,9% na comparação anual.

A produção registrou alta de 4,7% e alcançou 67 mil toneladas, sendo que outras vendas teve a maior produção do período com 63 mil toneladas, aumento de 5%.