Lojas Americanas busca expansão em venda física, digital e novos negócios

Foto divulgação: Lojas Americanas

São Paulo – A Lojas Americanas disse que buscará aquisições e novas parcerias para acelerar sua estratégia de expansão até 2022, que está dividida em três frentes: o primeiro, das vendas em lojas físicas, que contribuíram com 74% do ebitda em 2020, o segundo, no comércio digital, que cresceu 47,6% em 2020 e, o terceiro, em novos negócios, com o aplicativo AME, em serviços financeiros e a logística, Let’s.

“Queremos aumentar a oferta e disponibilidade dos produtos aos clientes em toda hora e todo lugar”, disse Miguel Gutierrez, presidente da companhia, em teleconferência para investidores sobre os resultados de 2020.

“Em aquisições, buscamos novas áreas, que possam agregar valor ao negócio e que tenham uma expansão extraordinária, como a do Supermercado Now. Estamos confiantes que podemos entrar em novas áreas ou intensificar as que já atuamos”, explicou o executivo.

A companhia disse que a combinação com a B2W, que está em análise, e parcerias como a anunciada com a BR Distribuidora criam oportunidades de acelerar o crescimento da companhia. A primeira por aumentar o potencial da empresa em logística, com a redução do tempo de entrega de produtos em menos de três horas, estoque e o poder de compra de novos negócios da companhia, disseram os executivos.

“A combinação com a B2W vai acelerar o atendimento e a satisfação dos clientes e contribuirá com a estratégia de relacionamento de longo prazo com nossos clientes e de expansão da companhia”, comentou o executivo, que não soube precisar quando a análise da combinação será finalizada.

A companhia disse que também avalia novas oportunidades de financiamento via mercado de capitais, mas não detalhou quais. Em 2020, a companhia reforçou o caixa em R$ 14 bilhões, sendo R$ 8,6 bilhões em ações e R$ 5,5 bilhões em emissão de bonds no mercado internacional.

Em fevereiro, os conselhos de administração da Lojas Americanas e de sua controlada B2W reuniram-se para avaliar uma potencial combinação operacional dos negócios das companhias, com o objetivo de maximizar a operação, e decidiram iniciar a análise da transação.

Os colegiados também decidiram que sejam encomendados todos os materiais pertinentes para uma futura tomada de decisão e, havendo decisão favorável de seus membros, que seja divulgado fato relevante para informar sobre o início das tratativas entre as companhias.