Lagarde diz que mudanças climáticas serão aplicadas em revisão estratégica

A presidente do Banco Central Europeu (BCE), Christine Lagarde / Foto: BCE

São Paulo – A presidente do Banco Central Europeu (BCE), Christine Lagarde, afirmou que as mudanças climáticas estão sendo incluídas na atual revisão estratégica da autoridade monetária e que o assunto deve pesar nas decisões do futuro. Segundo ela, as questões ambientais devem interferir na inflação, mercado de trabalho e elegibilidade de crédito.

“Para evitar efeitos negativos causados pelas mudanças climáticas, as empresas terão que mudar seu modelo de negócio e isso impactará a economia de forma direta. Portanto, é nossa responsabilidade analisar os impactos disso na inflação e no emprego e, com nossas ferramentas, proteger a estabilidade econômica”, disse ela em painel sobre mudanças climáticas organizado pela Comissão Europeia.

De acordo com Lagarde, as mudanças necessárias para uma economia mais limpa serão disruptivas, com alterações nas formas de produção e distribuição. “Isso transformará o modelo padrão de política monetária. Por isso, estamos analisando como isso afetará o orçamento do banco central por meio de testes de estresse desde já”, acrescentou ela.

“Pelos nossos estudos, fica óbvio os benefícios de se agir rápido para essa transformação. Os governos precisam ter papel ativo para estimular que empresas comecem a priorizar as mudanças climáticas em seus sistemas”, afirma.

Para realizar isso, Lagarde dá duas sugestões. A primeira seria a taxa de carbono que, segundo a presidente do BCE, deve ser mais rígida e ampliada. “Ainda há muitos produtos provenientes do carbono que não são taxados. É preciso que isso passe para o orçamento da empresa e do consumidor”, disse ela.

A segunda seria uma mudança nas elegibilidades de crédito. “Questões ambientais também devem ser uma luta de instituições financeiras. Por isso, é preciso que, para que uma empresa consiga crédito, ela comprove ações favoráveis ao meio ambiente”, concluiu.