Lagarde defende medidas de apoio, mas vê recuperação da eurozona mais próxima

A presidente do Banco Central Europeu (BCE), Christine Lagarde / Foto: BCE

São Paulo – A presidente do Banco Central Europeu (BCE), Christine Lagarde, defendeu a manutenção das políticas de apoio à eurozona, mas vê como próxima a recuperação da economia da região, embora tenha alertado para o nível atual de incertezas ligadas à pandemia do novo coronavírus.

“O apoio coordenado continuará sendo necessário nos próximos meses para garantir que a recuperação está bem encaminhada e que é forte e sustentável”, afirmou ela em coletiva de imprensa após encontro do Eurogrupo (que reúne ministros das Finanças da eurozona).

Segundo Lagarde, o BCE considera que a economia da eurozona já se encontra em processo de retomada e que irá recuperar o nível de Produto Interno Bruto (PIB) anterior à pandemia em 2022.

“A recuperação, no entanto, permanece incerta, deixará cicatrizes e será desigual dependendo dos setores e países”, afirmou ela.

Questionada se a recuperação em curso pode levar o BCE a repensar seu programa de compra de emergência pandêmica (PEPP, na sigla em inglês) de 1,85 trilhão, Lagarde defendeu que é muito cedo e desnecessário debater sobre o que vai acontecer no longo prazo.

“Nosso compromisso com a zona do euro é manter condições de financiamento favoráveis ​​durante todo o período da pandemia e isso orientará nossa gestão do PEPP”, afirmou.