Johnson diz que 108 mil britânicos já foram vacinados contra covid-19

286
O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson / Foto: Pippa Fowles / No 10 Downing Street

São Paulo – O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, demonstrou otimismo no controle da pandemia do novo coronavírus ao passo que as pessoas começaram a se vacinar no Reino, mas reforçou o apelo para que todos evitem aglomerações durante o Natal.

Segundo ele, 108 mil britânicos já receberam a primeira dose da vacina contra a covid-19. O Reino Unido foi o primeiro país ocidental a autorizar o uso emergencial do imunizante ao liberar a vacina desenvolvida pela Pfizer em parceria com a alemã BioNTech e iniciar a aplicação das doses em grupos prioritários na semana passada.

“Não há dúvida de que estamos vencendo e vamos vencer a luta contra o vírus”, afirmou Johnson durante coletiva de imprensa, elogiando a disposição da população em “receber uma injeção” no programa de vacinação.

Apesar do otimismo com a vacina, o premiê britânico reforçou o apelo para que as pessoas evitem aglomerações no Natal. Segundo ele, a única maneira de conter o avanço da nova onda de casos no Reino Unido, é fazendo com que as pessoas fiquem em suas casas e não se encontrem para as festas do final do ano.

“Não é certo criminalizar pessoas que simplesmente querem passar mais tempo com seus entes queridos”, disse Johnson. “O que estamos pedindo é que as pessoas pensem se você podem fazer mais para proteger a si mesmo e aos outros”, afirmou. “Um Natal menor será um Natal mais seguro e um Natal mais curto será um Natal mais seguro”, acrescentou.

Ele também pediu às pessoas que não viagem de uma área de alta prevalência para uma área de baixa prevalência e que evitem passar a noite em outros lugares.

“Os idosos devem esperar até serem vacinados antes de passar algum tempo em casa com parentes”, afirmou Johnson. “As coisas estarão melhores na Páscoa”, completou.

O Reino Unido tem 1.893.447 contaminados pelo novo coronavírus, um dos números mais altos entre os países europeus, e as mortes pela covid-19 somam 65.006, de acordo com dados da Universidade Johns Hopkins.