Johnson anuncia fim de todas as medidas de bloqueio em junho

87
O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson / Foto: Pippa Fowles / No 10 Downing Street

São Paulo – O primeiro-ministro britânico, Boris Jonhson, anunciou a revisão das regras de distanciamento e das medidas de bloqueio que foram adotadas para conter a disseminação do novo coronavírus depois que uma nova variante, mais contagiosa, foi descoberta no Reino Unido. O plano de reabertura contém quatro fases e vai de 8 de março até 21 de junho.

Falando à Câmara dos Comuns, Johnson disse que a revisão se dá graças às vacinas contra a covid-19 e seu sucesso na redução de mortes e hospitalizações. “A ameaça da covid-19 permanece substancial, mas medidas podem ser tomadas hoje por causa da determinação do povo britânico e do extraordinário sucesso do nosso serviço de saúde em vacinar mais de 17,5 milhões de pessoas em todo o Reino Unido”, disse ele.

AS QUATRO ETAPAS

A primeira etapa do plano de Johnson começa em 8 de março, quando escolas vão reabrir, a socialização com uma pessoa ao ar livre será permitida assim como a visita de uma pessoa às clínicas de cuidados e lares de idosos.

Essa primeira fase vai até 29 de março, quando a reunião de até seis pessoas ao ar livre será permitida, a prática de esportes ao ar livre será retomada e a ordem de permanência em casa será suspensa.

A segunda parte do plano começa em 12 de abril, quando o comércio não essencial, salões de cabeleireiros, academias de ginástica, livrarias, zoológicos, museus, pubs, restaurantes e bares poderão reabrir, porém apenas com serviço ao lado de fora e com frequência permitida para pessoas que vivem na mesma casa.

Em 17 de maio, o Reino Unido inicia a terceira fase do plano, com reunião de 30 pessoas ao ar livre, a permissão de grupos de até seis pessoas em locais fechados, casamentos, funerais e velórios serão liberados juntamente como eventos esportivos e apresentações em larga escala.

A última etapa do relaxamento das medidas de bloqueio está prevista para 21 de junho, quando todos os limites à socialização serão removidos, as boates poderão reabrir, o passaporte de vacina será exigido e as viagens internacionais poderão ser retomadas.

OS QUATRO CRITÉRIOS

Segundo Johnson, todas as fases de reabertura dependem do cumprimento de quatro critérios: continuidade do sucesso do programa de vacinação; evidências de que as vacinas são eficazes na redução de hospitalizações e mortes por covid-19; garantia de que taxas de infecção não aumentarão hospitalizações, o que colocaria uma pressão insustentável sobre o sistema de saúde britânico; e manutenção da avaliação dos riscos mesmo diante da descoberta de novas variantes.

Apesar de estar otimista com a revisão das medidas de bloqueio, Johnson não descartou a reimposição das restrições. “Não podemos, infelizmente, descartar a reimposição de restrições em nível local ou regional se as evidências sugerirem que elas são necessárias para conter ou suprimir uma nova variante que escapa das vacinas”, disse ele.

A média diária de pessoas infectadas no Reino Unido saltou de 15 mil no final de novembro, para 60 mil em janeiro. Agora, após o bloqueio e o avanço da vacinação, essa média caiu para 11 mil. No total, mais de 4,1 milhões de pessoas pegaram o novo coronavírus e  mais 120 mil morreram no país, segundo dados da Universidade Johns Hopkins.

“Eu sei que pode haver muitas pessoas que ficarão preocupadas que estejamos sendo muito ambiciosos e sua arrogância para impor qualquer tipo de plano a um vírus.  E eu concordo que devemos sempre ser humildes diante da natureza e devemos ser cautelosos. Mas também acredito que o programa de vacinação mudou dramaticamente as chances a nosso favor”, afirmou Johnson.

AS REGRAS PARA INGLATERRA

A revisão anunciada por Johnson vale para a Inglaterra – que está sob bloqueio desde dezembro –, enquanto as demais nações do Reino Unido — Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte — têm autonomia para definir suas regras.

Na Escócia, o governo deve traçar uma rota para sair do confinamento nos próximos dias, mas alertou as pessoas para não fazerem planos para o feriado da Páscoa.

No País de Gales, onde crianças de três a sete anos estão iniciando um retorno gradativo às escolas hoje junto com alguns estudantes universitários, o primeiro-ministro Mark Drakeford deve acabar com a exigência de permanência em casa em três semanas em conjunto com a reabertura de partes do comércio não essencial e salões de beleza.

Na Irlanda do Norte, o governo já descartou a possibilidade de as restrições serem amenizadas a tempo para a Páscoa. De todo modo, uma revisão das medidas atuais ocorrerá em 18 de março.