IPCA-15 desacelera em fevereiro e tem menor alta para o mês

283
Moeda Nacional, Real, Dinheiro, notas de real. (Foto: Marcello Casal Jr / Agência Brasil )

São Paulo – A prévia da inflação oficial no país, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo – 15 (IPCA-15), subiu 0,22% em fevereiro, desacelerando-se em relação à alta de 0,71% apurada em janeiro. Trata-se do menor resultado para o mês desde o início da série histórica, em 1994. O resultado ficou levemente abaixo da mediana das expectativas do mercado financeiro, de +0,24%, conforme o Termômetro CMA.

Com isso, o IPCA-15 acumula altas de 0,93% no ano e de 4,21% nos últimos 12 meses, até este mês. O resultado no período de 12 meses também ficou levemente abaixo da mediana das estimativas, de +4,24%, ainda segundo o Termômetro CMA. As informações foram divulgadas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Segundo o instituto, dos nove grupos de produtos e serviços pesquisados, três apresentaram deflação em fevereiro, sendo que as menores variações de preços vieram dos grupos Vestuário (-0,83%) e Saúde e Cuidados Pessoais (-0,29%), ambos com impacto de -0,04 ponto percentual (pp), cada, no resultado geral do indicador.

O grupo Alimentação e Bebidas também registrou variação negativa (-0,10%), contribuindo com um alívio de 0,02 pp no IPCA-15. Nessas classes de despesa, destaque para as quedas nos preços das roupas masculinas (-1,39%), femininas (-0,83%) e infantis (-0,71%), além de itens de higiene pessoal (-1,71%). Além disso, houve desaceleração em alimentação fora de casa (+0,38%).

Na outra ponta, a maior contribuição positivo no índice no mês veio do grupo Educação (+3,61%), refletindo os reajustes praticados no início do ano letivo. Com isso, a alta em cursos regulares (+4,36%), representou o maior impacto individual no âmbito do IPCA-15, com +0,20 pp.

Quanto aos índices regionais, duas das 11 regiões pesquisadas apresentaram deflação em fevereiro ante janeiro. São eles: Rio de Janeiro e Curitiba, com -0,03%, cada, refletindo a queda nos preços das carnes, em ambos os casos, e das passagens aéreas, no segundo caso. Já o maior índice foi registrado na região metropolitana de Fortaleza (+0,48%), por causa da alta em cursos regulares e nos preços do tomate. Em São Paulo, o IPCA-15 passou de +0,90% no mês passado para +0,28% neste mês.

O IPCA-15 é calculado com base em famílias com rendimentos de 1 a 40 salários e que vivem nas principais regiões metropolitanas do país, além de Brasília e Goiânia. Para o cálculo do indicador, os preços foram coletados no período de 15 de janeiro a 11 de fevereiro. A divulgação deste mês foi a primeira com a nova estrutura de ponderação, obtida a partir dos resultados da Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF), realizada entre 2017 e 2018.