Investidores demonstram cautela na espera por vacina e “Big Bang”

São Paulo – O Ibovespa encerrou em alta pelo terceiro pregão seguido, com ganhos de 0,76%, aos 102.297,95 pontos, acompanhando o otimismo visto no exterior após o anúncio de novo tratamento contra o coronavírus nos Estados Unidos e com a possibilidade de uma vacina ser lançada antes das eleições presidenciais no país.

A redução da tensão entre China e Estados Unidos também colaborou para a alta do índice, apesar de o pacote de medidas do ministro da Economia, Paulo Guedes, que era esperado para amanhã, ter sido adiado. O volume total negociado foi de R$ 23,2 bilhões.

“Houve indicações de que Trump correria para acelerar uma vacina contra o coronavírus, além de ter sido aprovado o uso de plasma no tratamento de covid-19 nos Estados Unidos. Os protocolos de tratamento vêm melhorando muito desde o início da pandemia, o que reduz a mortalidade”, disse o sócio da Criteria Investimentos, Vitor Miziara.

Há rumores de que o governo Trump considera acelerar uma vacina experimental contra a covid-19 desenvolvida no Reino Unido para uso nos Estados Unidos antes das eleições presidenciais. Além disso, o presidente anunciou ontem que a agência reguladora norte-americana liberou o uso emergencial de plasma de convalescentes no tratamento de pacientes de coronavírus. Os anúncios foram feitos antes da convenção republicana, que ocorre esta semana, e com o democrata Joe Biden ainda na frente de Trump nas pesquisas eleitorais.

Também há notícias de que a Casa Branca permitirá que empresas norte-americanas mantenham negócios com o aplicativo chinês, WeChat. Trump ainda disse, hoje, que na semana passada, a China fez o maior pedido já realizado de soja e milho para os Estados Unidos, dando sinais de que quer manter o acordo comercial.

Na cena doméstica, seguem especulações sobre como será o pacote de Guedes, além de quando será anunciado, já que foi adiado depois de Guedes prometê-lo para amanhã. Investidores vinham chamando o pacote de “Big Bang”, mas há dúvidas sobre que novidades trará de fato. Ainda deve ser anunciado nesta terça-feira o programa que prevê uma reformulação do Minha Casa, Minha Vida.

“O projeto deve reunir uma gama de medidas, combinando o Renda Brasil com medidas de corte de gastos, obras públicas, estímulo ao emprego, atração dos investimentos e até mesmo algumas privatizações”, destaca o economista-da Guide Investimentos, Victor Beyruti Guglielmi.

Entre essas privatizações estariam as do Correios e da Eletrobras, que já vêm sendo planejadas e ainda não saíram do papel. Porém os papéis da estatal de energia fecharam entre as maiores altas do Ibovespa em meio à expectativa. Ao lado da Eletrobras, ficaram as ações da Embraer.

Na agenda de indicadores de amanhã, investidores devem ficar atentos ao PIB da Alemanha e dados de imóveis e confiança do consumidor nos Estados Unidos. Já no Brasil, será publicado o IPCA-15.

O dólar comercial encerrou o dia em queda de 0,21%, cotado a R$ 5,5990 para venda, em dia de cautela do investidor na expectativa pela apresentação do pacote econômicos que estava programado para amanhã pelo ministro da Economia, Paulo Guedes. O evento foi remarcado, sem data prevista para acontecer, mas há rumores de que essa apresentação irá ocorrer ainda nesta semana.

“Marcado para esta terça-feira, conforme informamos mais cedo, o lançamento do Programa Pró-Brasil poderá ser adiado, segundo fontes do Ministério da Economia. Isso porque as medidas que serão anunciadas ainda não estão com seus textos, que serão enviados ao Congresso Nacional, totalmente prontos. A ideia, porém, é manter o anúncio para esta semana, ainda que não haja garantia, diante da falta de textos concretos”, afirmou a corretora Necton, em comunicado para investidores.

“Hoje o dia está bem parado. Um dia frio, sem grandes emoções. O investidor se mantém cauteloso diante de um cenário de dados econômicos fracos, mas com esperança de melhora com pacotes de estímulos. Agora é a vez do Brasil de anunciar mais estímulos e isso tem deixado o mercado com um leve otimismo”, explicou um operador de câmbio de uma grande corretora.

“Uma nova semana se inicia nos mercados globais, todavia, o risco fiscal brasileiro continua no foco dos investidores e dos agentes econômicos. Algum otimismo externo pode ser importado do cenário internacional – que amanheceu com ânimos renovados – entretanto, a mesma cautela fiscal pode limitar as euforias no mercado doméstico”, explicou, em relatório, Pedro Molizani, Trader Mesa de Câmbio Travelex Bank.

No exterior, o dia foi de otimismo com investidores reagindo à possibilidade de o governo norte-americano acelerar uma vacina contra o coronavírus, além de ter anunciado o uso de novo tratamento contra o vírus no país, com a utilização de plasma. “Mas o principal mesmo é o que vem de lá de fora. A notícia de que os Estados Unidos querem acelerar a aprovação de uma vacina tem animado até os mercados externos”, acrescentou o operador de câmbio.

As taxas dos contratos de juros futuros (DIs) encerraram a sessão em queda, mantendo a trajetória observada desde a abertura do pregão, em meio ao ambiente externo favorável ao risco e à realização de lucro ensaiada pelo dólar, que tenta se firmar abaixo de R$ 5,60. Ainda assim, o movimento de retirada de prêmio foi limitado pela expectativa pela divulgação do pacote econômico do governo Bolsonaro, previsto para amanhã.

Ao final da sessão regular, o DI para janeiro de 2022 ficou com taxa de 2,74%, de 2,80% no ajuste anterior, ao final da semana passada; o DI para janeiro de 2023 terminou projetando taxa de 3,88%, de 3,96% após o ajuste na última sexta-feira; o DI para janeiro de 2025 encerrou em 5,71%, de 5,76%; e o DI para janeiro de 2027 tinha taxa de 6,73%, de 6,79%, na mesma comparação.

A busca por uma cura ou tratamento para a covid-19 seguiu ditando o ritmo dos negócios em Wall Street. A notícia sobre a liberação de uma nova terapia nos Estados Unidos fez os principais índices do mercado norte-americano de ações terminarem a primeira sessão da semana em alta, com o Nasdaq e o S&P 500 em recorde.

Confira abaixo a variação e a pontuação dos principais índices de ações dos Estados Unidos no fechamento:

Dow Jones: +1,35%, 28.308,46 pontos

Nasdaq Composto: +0,50%, 11.379,71 pontos

S&P 500: +1,00%, 3.431,28 pontos