Indicador antecedente sugere que recuperação do emprego perdeu fôlego, diz FGV

180

São Paulo, 5 de fevereiro de 2021 – O Indicador Antecedente de Emprego (IAEmp) caiu 2,2 pontos em janeiro ante dezembro, para 83,5 pontos, segundo a Fundação Getulio Vargas. O Indicador Coincidente de Desemprego ICD) também diminuiu, em 3,8 pontos, para 98,8 pontos.

Segundo Rodolpho Tobler, economista do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre FGV), a queda do indicador antecedente de emprego aponta para uma perda de intensidade na recuperação do mercado de trabalho.

“Nos últimos meses o indicador vinha oscilando, mas ainda em patamar abaixo do que era observado no período anterior a pandemia. A provável desaceleração da atividade econômica no primeiro trimestre e o elevado nível de incerteza ainda não permitem que seja possível imaginar uma melhora desse indicador no curto prazo”, afirmou.

No caso do ICD, o indicador voltou a cair depois de quatro meses, mas ele ainda está em nível muito elevado, disse Tobler. “Os próximos resultados podem confirmar se houve uma inversão da tendência, mas o fim dos programas do governo, a dificuldade que alguns setores ainda encontram na recuperação e a piora dos números da pandemia ainda não sugerem uma expectativa positiva para os próximos meses”, afirmou.