Importação de aço continuou forte em maio, destaca Itaú BBA

118
Aço

São Paulo – A importação de aço continuou forte em maio, conclui o Itaú BBA, após análise dos dados divulgados ontem (18) pelo Instituto Aço Brasil. As remessas domésticas de aço permaneceram estáveis na comparação anual, mas diminuíram 1% em relação a abril deste ano, com as remessas de aços planos superando os aços longos em uma base anual. Dito isto, o consumo aparente apresentou valores positivos, aumentando 4% na variação mensal e 9% na anual, impulsionado pelos volumes de importação, que aumentaram 25% sequencialmente e 44% ante maio de 2023, destacou a análise do time liderado por Daniel Sasson, do Itaú BBA.

As vendas domésticas permaneceram estáveis e diminuíram 1% em relação ao mês anterior; no entanto, o consumo aparente aumentou 4% na comparação mensal e 9% na anual.

As vendas domésticas de aços longos diminuíram 1% ante abril de 2024 e maio de 2023, enquanto as importações de aços longos aumentaram significativamente em maio (alta mensal de 8% e anual de 62%).

Os embarques domésticos de aços planos aumentaram 2% em relação ao mesmo período de 2023, mas caíram 1% ante abril de 2024; as importações de aços planos tiveram força em maio, com aumento de 32% no comparativo mensal e de 39% no comparativo anual.

Estatística mensal

Ontem, o Instituto Aço Brasil informou que, em maio de 2024 a produção brasileira de aço bruto foi de 2,6 milhões de toneladas, uma redução de 7,4% frente ao apurado no mesmo mês de 2023. Já a produção de laminados foi de 1,9 milhão de toneladas, 1,9% inferior à registrada em maio de 2023. A produção de semiacabados para vendas foi de 586 mil toneladas, uma queda de 37,6% em relação ao ocorrido no mesmo mês de 2023.

As vendas internas expandiram 0,4% frente ao apurado em maio de 2023 e totalizaram 1,7 milhão de toneladas. O consumo aparente de produtos siderúrgicos foi de 2,1 milhões de toneladas, 4,9% superior ao apurado no mesmo período de 2023.

As exportações de maio de 2024 foram de 954 mil toneladas, ou US$ 728 milhões, o que resultou em queda de 12,1% e de 25,7%, respectivamente, na comparação com o ocorrido no mesmo mês de 2023.

As importações de maio de 2024 foram de 561 mil toneladas e de US$ 535 milhões, um aumento de 44,4% em quantum e uma elevação de 7,1% em valor na comparação com o registrado em maio de 2023.

De janeiro a maio, a produção brasileira de aço bruto foi de 13,6 milhões de toneladas no acumulado de janeiro a maio de 2024, o que representa um aumento de 0,6% frente ao mesmo período do ano anterior. A produção de laminados no mesmo período foi de 9,6 milhões de toneladas, crescimento de 3,2% em relação ao registrado no mesmo acumulado de 2023. A produção de semiacabados para vendas totalizou 3,4 milhões de toneladas de janeiro a maio de 2024, uma redução de 14,6% na mesma base de comparação.

As vendas internas foram de 8,3 milhões de toneladas de janeiro a maio de 2024, o que representa uma elevação de 1,9% quando comparadas com igual período do ano anterior.

O consumo aparente nacional de produtos siderúrgicos foi de 10,3 milhões de toneladas no acumulado até maio de 2024. Este resultado representa um aumento de 5,1% frente ao registrado no mesmo período de 2023.

As importações alcançaram 2,3 milhões de toneladas no acumulado até maio de 2024, um aumento de 26,4% frente ao mesmo período do ano anterior. Em valor, as importações atingiram US$ 2,3 bilhões e aumentaram 0,8% no mesmo período de comparação.

As exportações de janeiro a maio de 2024 atingiram 4,2 milhões de toneladas, ou US$ 3,4 bilhões. Esses valores representam, respectivamente, redução de 16,0% e de 22,9% na comparação com o mesmo período de 2023.