Ibovespa mantém euforia e renova recorde pelo 2º dia seguido

263

O Ibovespa manteve a euforia e encerrou a primeira semana de negócios de 2021 estabelecendo novos recordes de fechamento. Depois de atingir a máxima intraday de 125.323,53 pontos, durante a tarde, o índice cedeu discretamente nos minutos finais até encerrar o dia em alta de 2,19%, aos 125.076,63 pontos. Na semana, o Ibovespa subiu 5,09%.

“Papéis de segunda linha puxaram o índice”, comentou um operador de renda variável, uma vez que pesos-pesados como Vale e Petrobras patinaram hoje.

As ações da Hapvida e da NotreDame Intermédica registraram as maiores altas do índice – ambas subiram cerca de 20% hoje – diante da notícia de que as empresas estariam negociando uma fusão.

A euforia também foi sustentada pelas notícias referentes à vacina contra a covid-19, pela consequente perspectiva de recuperação econômica e pela expectativa de que o presidente eleito dos Estados Unidos, Joe Biden, adote novas medidas de estímulo à economia norte-americana depois de sua posse, marcada para o dia 20.

Câmbio

O dólar comercial fechou em alta de 0,31% no mercado à vista, cotado a R$ 5,4160 para venda, engatando a terceira alta seguida em mais uma sessão de forte volatilidade, em reação às notícias da política local que elevam as incertezas com o cenário fiscal, aos dados do mercado de trabalho dos Estados Unidos e com incertezas vindas de lá em meio à uma possível divisão entre os Democratas sobre estímulos para a economia norte-americana.

A moeda sustentou queda na primeira parte dos negócios, acentuando as perdas após a divulgação dos dados do mercado de trabalho norte-americano, com um “payroll frustrante”, diz o analista de câmbio da Corrreparti, Ricardo Gomes Filho, ao mostrar o fechamento de 140 mil vagas de trabalho no país, em dezembro, ante a expectativa de criação de 93 mil vagas, refletindo os efeitos da segunda onda de covid-19 no país.

Já a segunda parte dos negócios foi marcada por intensa volatilidade invertendo o sinal para alta em meio à percepção de que a aprovação de um novo pacote de estímulo fiscal em um Congresso com maioria democrata “pode não ser tão fácil quanto se previa”, diz o analista.

Na semana, a moeda teve forte alta de 4,37% em meio à valorização do dólar no mundo diante do tumulto no Congresso dos Estados Unidos após a invasão de manifestantes pró-governo de Donald Trump invadirem o Capitólio, prédio onde ficam a Câmara dos Deputados e o Senado, além das incertezas políticas domésticas, principalmente, com o risco fiscal se ampliando, destaca a equipe econômica da corretora Mirae Asset.

Na semana que vem, o mercado deverá ficar atento aos dados de preços ao consumidor nos Estados Unidos, na China e aqui, com apostas de que a inflação doméstica deve seguir pressionada por energia e educação. Sobre o IPCA, a equipe econômica do Bradesco comenta que o dado de dezembro deve refletir a alteração da bandeira tarifária de energia e a antecipação dos reajustes de educação.

Também fica no radar dos investidores, o desdobramento da segunda onda de covid-19 e o avanço da imunização contra a doença. “A pandemia tem mostrado piora relevante nos últimos dias ao redor do mundo. O mercado continua a ignorar este fato. Ele até pode manter o foco na normalização esperada para este ano com as vacinas, mas este é um risco que precisa ser monitorado no curto prazo”, avalia o sócio-diretor da TAG Investimentos, Dan Kawa.

Para o economista da Nova Futura Investimentos, Matheus Jaconeli, a tendência é de novas altas para o dólar, mesmo que “fracas” e de muita volatilidade. “Baseado no nosso cenário fiscal, da necessidade de manter os estímulos aqui, ou seja, a volta do auxílio emergencial, além das incertezas em torno da definição de um calendário de imunização no Brasil”, reforça.

Wall Street

Os principais índices do mercado de ações dos Estados Unidos terminaram o dia em alta. A combinação de dados de empregos ruins, que alimentaram a esperança de estímulos mais amplos, e a promessa do presidente eleito dos Estados Unidos, Joe Biden, de que seu pacote de alívio ao novo coronavírus alcançará trilhões de dólares ajudou os principais índices do mercado de ações norte-americano a baterem novos recordes e encerrarem a primeira semana de 2021 com ganhos.

Confira abaixo a variação e a pontuação dos principais índices de ações dos Estados Unidos no fechamento:

  • Dow Jones: +0,18%, 31.097,97 pontos
  • Nasdaq Composto: +1,03%, 13.202,00 pontos
  • S&P 500: +0,54%, 3.824,68 pontos