IBGE: Setor de serviços teve maior impacto sobre queda do PIB em 2020

A queda de 4,1% do PIB brasileiro em 2020 foi puxada principalmente pelo setor de serviços, duramente afetado pela pandemia de covid-19, enquanto a indústria também registrou retração acentuada no decorrer do ano passado, informa o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE).

O PIB de serviços encolheu 4,5% em 2020, para R$ 4,7 trilhões, enquanto o PIB da indústria diminuiu 3,5%, para R$ 1,3 trilhão. Juntos, os setores de indústria e de serviços representaram 95% da economia brasileira em 2020, estimada em R$ 7,4 trilhões pelo IBGE.

Tanto o setor de serviços quanto a indústria avançaram no quarto trimestre de 2020 na comparação com o terceiro trimestre – +2,7% e +1,9%, respectivamente -, mas a expansão serviu apenas para atenuar um pouco o impacto da forte queda acumulada nos trimestres anteriores.

Na comparação com o quarto trimestre de 2019, o PIB de Serviços recuou 2,2% no último trimestre do ano passado, para R$ 1,3 trilhão, enquanto o PIB da Indústria avançou 2,2%, para R$ 344,2 bilhões.

Atividade de restaurantes, hotéis e academia derrubou PIB de Serviços

O PIB de Serviços foi o que mais impacto teve sobre o resultado final da economia brasileira em 2020, recuando 4,5% no acumulado do ano. Por trás desta queda estiveram atividades duramente impactadas pela covid-19, como restaurantes, hotéis e academias de ginástica.

O pior resultado dentro dos setores que integram o PIB de Serviços foi gerado pela rubrica “outras atividades de serviços” (-12,1%). Ela inclui justamente restaurantes, academias de ginástica e hotéis.

“Os serviços prestados às famílias foram os mais afetados negativamente pelas restrições de funcionamento”, disse Rebeca Palis, coordenadora de Contas Nacionais do IBGE.

“A segunda maior queda ocorreu nos transportes, armazenagem e correio (-9,2%), principalmente o transporte de passageiros, atividade econômica também muito afetada pela pandemia”, acrescentou ela.

Na contramão da queda, as rubricas de atividades financeiras, seguros e serviços relacionados (+4,0%) e de atividades imobiliárias (+2,5%) registraram expansão no acumulado de 2020.

Construção teve maior impacto sobre retração do PIB da Indústria

O setor de construção civil foi apontado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE) como o que mais impacto teve sobre o recuo de 3,5% no PIB da Indústria ao longo de 2020.

O setor de construção, que vinha de expansão de 1,5% em 2019, contraiu-se 7,0% em 2020. Outros destaques negativos ficaram por conta da indústria de transformação, que encolheu 4,3% em 2020, enquanto as de eletricidade, gás, água, esgoto e atividades de gestão de resíduos encolheram 0,4%.

Em contrapartida, as indústrias extrativas avançaram 1,3%, puxadas principalmente pela alta na produção de petróleo e gás, o que compensou a queda da extração de minério de ferro.