Hungria e Polônia estão perto de acordo sobre orçamento da UE

163
Foto: Serviço Audiovisual da União Europeia (UE)

São Paulo – A Polônia e a Hungria estão perto de chegar a um acordo sobre o orçamento da União Europeia (UE) dos próximos sete anos e do fundo de recuperação da pandemia de covid-19, disse o vice-primeiro-ministro polonês, Jaroslaw Gowin.

“A lógica do veto ou da morte é contrária ao nosso interesse nacional. Como [o primeiro-ministro da Hungria] Viktor Orbán disse ontem, estamos a um centímetro da solução: a Polônia soberana e uma Europa comum. E garantindo os direitos independentes da Polônia, e usando centenas de bilhões de fundos da UE”, disse Gowin, em uma mensagem no Twitter.

A Polônia e a Hungria vetaram o orçamento plurianual de 1,8 trilhão de euros da UE e o fundo de recuperação de 750 bilhões de euros depois da inclusão de um mecanismo segundo o qual os países só poderão ter acesso aos recursos se obedecerem aos padrões democráticos do bloco.

As duas nações estão sob investigação da UE por comprometerem a independência judicial e a liberdade dos meios de comunicação.

Ontem, o ministro de Assuntos Europeus da Alemanha, que detém a presidência do Conselho da UE, Michael Roth, disse que adiar ainda mais o orçamento seria irresponsável, e que conversas de bastidores em andamento com Varsóvia e Budapeste que devem resultar em uma solução nos próximos dias.

A chanceler da Alemanha, Angela Merkel, disse hoje que os líderes da UE estão procurando maneiras de suspender o veto da Polônia e da Hungria e preservar o mecanismo do Estado de Direito. Os líderes UE se reunirão em Bruxelas na quinta e na sexta-feira para discutir o orçamento.

Se o veto não for derrubado, no dia 1 de janeiro entrará em vigor um sistema emergencial não utilizado desde 1988, que prevê que a cada mês os países recebam um duodécimo do dinheiro que lhes corresponde do orçamento do ano anterior.