Harker, do Fed, diz que inflação precisa ser controlada com taxas mais altas

159
O presidente da unidade do Federal Reserve, Patrick Harker (Fed, o banco central norte-americano) da Filadélfia, Patrick Harker / Foto: Fed Filadélfia

São Paulo – O presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) da Filadélfia, Patrick Harker, também demonstrou preocupações sobre a inflação e os aumentos das taxas de juros necessários para controlar a alta dos preços.
Em comentários, o formulador de políticas disse estar preocupado com a taxa inflacionária atingindo seu nível mais alto em 40 anos. Ele antecipa que o Fed responderá aumentando as taxas e reduzindo o nível de títulos que mantém em seu balanço.
“A inflação está muito alta e estou muito preocupado com isso”, disse Harker à Câmara de Comércio do Estado de Delaware.
“O resultado é que políticas fiscais generosas, interrupções na cadeia de suprimentos e política monetária acomodatícia aumentaram a inflação muito mais do que eu – e meus colegas do Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc, na sigla em inglês) – gostaríamos”, disse ele. “Também estou preocupado que as expectativas de inflação possam se desequilibrar.”
O tom de advertência vem um dia depois que dois de seus colegas, a vice-presidente do Fed, Lael Brainard, e a presidente do Fed de São Francisco, Mary Daly, também expressaram preocupação com a inflação. Brainard, que geralmente favorece taxas mais baixas e uma política monetária menos restritiva, disse que a redução da inflação é “de suma importância” e exigiria “uma série de aumentos de juros” e uma redução “rápida” do balanço.
Os comentários de Harker se assemelhavam muito à visão de Brainard sobre aumentos de taxas.
Ele disse que espera “uma série de aumentos deliberados e metódicos à medida que o ano continua e os dados evoluem”, embora não tenha sido tão enfático sobre a questão do escoamento do balanço.
Harker é um membro não votante do FOMC que, no entanto, contribui para as decisões finais do comitê. Na economia mais ampla, ele vê o crescimento como “robusto” e antecipa que a inflação acabará caindo para a meta de 2% do Fed.
Em sua reunião de março, o FOMC aprovou seu primeiro aumento de taxa em mais de três anos. Os mercados esperam uma sucessão de aumentos que, em última análise, podem levar as taxas básicas de juros a 3% ou mais.