Hapvida e NotreDame estudam fusão em operação de R$ 100 bi

248
Foto divulgação: Hapvida

São Paulo – As operadoras de planos de saúde Hapvida e da NotreDame Intermédica confirmaram negociações para uma possível fusão, em uma operação de cerca de R$ 100 bilhões e que criaria mais uma gigante no setor, fazendo frente a Rede D’Or. 

O valor de mercado da Hapvida é de R$ 53,049 bilhões e o da NotreDame é de R$ 44,026 bilhões, com base nos dados do fechamento de ontem. Já a Rede D’Or, que fez uma oferta pública inicial de ações (IPO, na sigla em inglês) recentemente, vale R$ 121 bilhões.

A  notícia havia sido antecipada pelo blog do colunista Lauro Jardim, do jornal “O Globo”, e fez os preços das ações das companhias dispararem nesta tarde.

A Hapvida apresentou proposta não vinculante à NotreDame para uma potencial combinação dos negócios das companhias, que resultará na consolidação de suas bases acionárias, disse a companhia, em fato relevante enviado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) nesta tarde. O NotreDame disse que respondeu à Hapvida, na data de ontem, que avaliará a proposta e que manterá o mercado e seus acionistas informados sobre eventuais desdobramentos.

“Se consumada a combinação de negócios proposta, a companhia permanecerá com suas ações negociadas no Novo Mercado da B3, sendo que os atuais acionistas da companhia e da NotreDame passarão a deter, respectivamente, 53,1% e 46,9% da companhia, após a combinação dos negócios, considerando, para fins da relação de troca, o preço médio ponderado por volume (VWAP, na sigla em inglês) das ações da NotreDame e da companhia na B3 no período de 20 dias de negociação imediatamente anteriores a 21 de
dezembro de 2020, acrescido de um prêmio de 10%”, diz o documento.

Segundo a Hapvida, a proposta contempla a expansão do conselho de administração da companhia, que passará a contar com nove membros, sendo dois indicados pelo NotreDame, dois independentes e cinco indicados pelos acionistas da companhia, além da intenção de manutenção do atual CEO da NotreDame em posição estratégica na companhia, após a combinação de negócios.

A companhia acrescenta que pretende oferecer e negociar um pacote atrativo de remuneração com os principais executivos da NotreDame, incluindo incentivos de longo prazo baseados em ações. A conclusão da transação está sujeita à aprovação pelos órgãos de administração e pelos acionistas das duas companhias, entre outras condições.

As ações da Hapvida e da NotreDame Intermédica chegaram a subir mais de 20% após notícia da possível fusão e entraram em leilão na B3 com a divulgação do fato relevante por volta das 16h15 (horário de Brasília).

Na volta do leilão, as ações passaram a subir ainda mais e os papéis ordinários da Hapvida (HAPV3) fecharam com alta de 17,75%, a R$ 16,78, já os da NotreDame Intermédica (GNDI3) avançaram 26,59%, a R$ 91,40, encerrando entre as maiores valorizações do Ibovespa.

ANÁLISE

Para os analistas da Necton Corretora, o valor conjunto da operação chega ao valor de mercado similar ao da recentemente listada em bolsa rede D’Or (RDOR3) que atualmente é próximo a R$ 121 bilhões, sendo aproximadamente R$ 66 bilhões da Hapivida e R$ 54 bilhões do NotreDame.

“As aquisições para operadoras verticais são extremamente relevantes para marcar a entrada em novas regiões, ampliar a escala do negócio e aumentar a verticalização da nova companhia com maior controle de custos frente aos concorrentes.”

Logo, vislumbramos sinergias por estratégias geográficas, com a Hapvida atuando com foco principalmente no Norte e Nordeste, enquanto a Intermédica busca maior penetração no Sul e Sudeste”, , disseram os analistas Glauco Legat, Edson Kina, Marcel Zambello e Gabriel Machado.

Os analistas disseram que pode haver algumas dificuldades de aprovação/restrições pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) e destacaram como “grande possibilidade” a Hapvida se manter como controladora da nova empresa dado o controle familiar da companhia e a Intermédica não ter nenhum acionista controlador.