Ações da Hapvida e NotreDame sobem com notícia sobre fusão

Foto: Marcos Santos/USP Imagens

São Paulo – As ações das operadoras de saúde Hapvida e NotreDame Intermédica (GNDI) registram altas no pregão de hoje após a confirmação da combinação de negócios entre as empresas. Os papéis da NotreDame (GNDI3) chegaram a subir 10,15%, a R$ 79,90 e as ações da Hapvida (HAPV3) registraram alta de 9,93%, a R$ 16,95. No fechamento, os papéis avançaram 3,41% e 5,29%, respectivamente.

Na avaliação da XP Investimentos, mesmo com a função as empresas continuarão a ganhar participação no mercado sendo uma melhor opção em relação à planos mais caros do lado corporativo e um “upgrade em relação ao SUS para os planos individuais.

“Nós esperamos que o número de beneficiários da GNDI cresça 5% ao ano organicamente até 2030, enquanto a base da Hapvida cresça 5,6% ao ano no mesmo período (dos quais 6% serão planos corporativos e 4% planos individuais). Fusões e aquisições ainda deverão ser uma parte relevante da estratégia das companhias (apesar de não serem consideradas no nosso cenário base) dado que existem regiões onde as empresas ainda possuem participações muito pequenas, que representam cerca de 28% do mercado ou 13 milhões de beneficiários”, disseram os analistas da XP.

ACORDO

A Hapvida e NotreDame Intermédica (GNDI) informaram que chegaram a um acordo para a combinação de negócios. Com a fusão, a receita da nova gigante da área de saúde será de R$ 18,2 bilhões.

Em estrutura, as empresas contarão agora com 84 hospitais, 280 clínicas, 257 unidades de diagnósticos, 8,373 milhões de beneficiários de planos de saúde e 5,222 milhões de beneficiários em planos odontológicos, um total de 13,595 milhões de clientes, sem sobreposição no Estado de São Paulo.

Após o fim da operação, os acionistas da NotreDame Intermédica receberão R$ 5,2490 por ação ordinária mais R$ 6,45. Já a Hapvida passará a ter 53,6% da companhia combinada e a Intermédica, 46,4%.

O conselho de administração da nova empresa terá 9 membros, sendo 2 indicados pelo conselho da NotreDame, 5 pela Hapvida e 2 independentes, sendo 1 indicado pelo conselho da NotreDame e um pela Hapvida.

As Empresas vão encaminhar a proposta em até 45 dias para o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) e Agência Nacional de Saúde (ANS).