Governo dos EUA avança para limitar recursos financeiros para América Central

Foto: Paula Brewer / freeimages.com

São Paulo – Semanas depois de destinar US$ 4 bilhões em ajuda para a América Central, o governo norte-americano está ajustando seus planos e limitando recursos diretos para países como Honduras, El Salvador e Guatemala.

A oficial sênior do governo norte-americano para assuntos de fronteira e especialista em imigração, Roberta Jacobson, disse que os US$ 4 bilhões estarão sujeitos a condições estritas sobre os destinatários, com base em medidas de esforços anticorrupção e boa governança.

“O presidente Biden não quer que esses recursos parem nos bolsos de autoridades ou de quem não precisa. Queremos que sejam usados para fomentar a economia desses países, criando oportunidades para que as pessoas não precisem ir para os Estados Unidos ilegalmente”, afirmou Jacobson em coletiva de imprensa na Casa Branca.

Ela disse que em vez de despejar a maior parte do dinheiro em tesouros nacionais, quantias maiores irão para organizações não governamentais e programas para mães solteiras, treinamento de jovens e grupos semelhantes. “A ideia é fortalecer a sociedade civil e não enriquecer esses governos”, afirmou.

No mês passado, senadores democratas apresentaram uma legislação que amarraria Biden no desembolso de ajuda financeira em um projeto que visa Honduras e seu presidente, Juan Orlando Hernández, um aliado do ex-presidente norte-americano, Donald Trump, que está sob investigação pela justiça dos Estados Unidos em vários casos de tráfico de drogas.

Se aprovado, o projeto sancionaria Hernández, congelando bens e pedindo ao Departamento de Estado que designasse como chefe do tráfico – uma punição severa para um líder eleito em exercício. Também suspenderia a ajuda de segurança a Honduras por causa de abusos de direitos humanos, corrupção e casos de tráfico de drogas e impediria as vendas de gás lacrimogêneo e outras ferramentas de controle de multidões usadas contra protestos civis pacíficos.