Governo de Trump optou pelo confronto e pela contenção do Irã, diz Pompeo

247

Por Carolina Gama

São Paulo – O secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, disse que o Irã foi colocado em uma posição difícil dentro da estratégia do governo de Donald Trump de pressão máxima ao regime de Teerã via uso de sanções, o que forçou o país a optar pela desestabilização do Oriente Médio.

“O Irã não escolheu a paz e, por isso, optamos pelo confronto e pela contenção”, disse Pompeo em coletiva no Departamento de Estado. “O Irã tomou uma decisão errada ao matar norte-americanos. Esperamos que eles não tomem outra decisão equivocada ou teremos que responder da mesma forma que na semana passada: com firmeza, força e precisão”, acrescentou.

As declarações acontecem depois que um ataque aéreo dos Estados Unidos matou na semana passada o comandante das forças Quds – uma unidade especial da Guarda Revolucionária do Irã -, o general Qassem Soleimani, nas proximidades do aeroporto de Bagdá, no Iraque. Teerã prometeu retaliar à morte de uma das autoridades mais proeminentes do país.

“A estratégia que adotamos de matar Soleimani salvou muitas vidas”, afirmou Pompeo, acrescentando que a ordem dada por Trump foi bem estudada. “Toda vez que um presidente toma uma decisão dessa magnitude é porque está baseado em muitas informações e análises das consequências”, completou.

Ele defendeu a legitimidade da decisão de Trump de ordenar o ataque aéreo em um momento no qual a presidente da Câmara dos Deputados dos Estados Unidos, Nancy Pelosi, tenta aprovar uma medida que limite os poderes do presidente norte-americano sobre o Irã. “A decisão foi amparada pela lei”, afirmou Pompeu.

Questionado a respeito da declaração do ministro das Relações Exteriores do Irã, Mohammad Javad Zarif, sobre o papel diplomático de Soleimani no Iraque, Pompeo riu.

“Vocês acreditam mesmo que Soleimani, com um vasto currículo militar, estava em Bagdá em uma missão de paz? Soubemos via nossa inteligência que a indicação de que ele estaria levando uma proposta de Assad para a paz da região era mentirosa”, disse Pompeo, referindo-se ao presidente sírio, Bashar al Assad.

Neste contexto, o secretário norte-americano acusou Soleimani de comprometer a soberania dos países da região. “Soleimani foi responsável pela destruição de vários países como Síria e Líbano”, disse.

O secretário norte-americano também foi perguntado sobre a destruição de alvos culturais iranianos, afirmação feita por Trump. “Qualquer ação dos Estados Unidos estará em linha com as leis internacionais”, concluiu.