Governo da Espanha decreta estado de emergência em Madri para conter covid-19

147
O ministro de Saúde da Espanha, Salvador Illa / Foto: Ministério de Saúde da Espanha

São Paulo – O governo central da Espanha decretou estado de emergência em Madri e em outros oito municípios da região, para
mitigar os riscos de transmissão do novo coronavírus, em meio a uma disputa jurídica com as autoridades locais.

“O governo decidiu declarar o estado de emergência em Madri para dar cobertura às medidas aprovadas em 30 de setembro pelos próximos 15 dias, disse o ministro de Saúde a Espanha, Salvador Illa em coletiva de imprensa após o Conselho de Ministros extraordinário realizado em La Moncloa.

“Serão as mesmas medidas, tudo segue igual, simplesmente com outra cobertura jurídica”, disse o ministro. Segundo ele, ao todo serão 23 dias com as medidas restritivas em vigor, e nesse tempo “confiamos em estabilizar a pandemia”.

As restrições se aplicam à entrada e saída de pessoas de municípios mais de 100 mil habitantes com alta incidência, salvo motivos de assistência média, obrigações trabalhistas, entre outras exceções. Assim, as restrições valem para Madri, Alcobendas, Alcorcón, Fuenlabrada, Getafe, Leganés, Móstoles e Torrejón de Ardoz.

A segunda medida restringe reuniões de pessoas, que passam a ser limitadas a seis pessoas. Já estabelecimentos comerciais devem funcionar com 50% da capacidade e fechar até ás 22h no horário local, com algumas exceções. Também há limitação de pessoas em locais de esporte e igrejas.

“Na última semana, 63 pessoas faleceram de covid-19 na Comunidade de Madri. Agora mesmo, há 3.361 pessoas hospitalizadas” e 498 pessoas estão em UTIs, disse Illa. “Podemos cruzas ou braços ou podemos frear o vírus”. Para ele, é obrigação do governo frear o vírus, ainda que isso suponha alguns sacrifícios.

“Proteger a saúde nos madrilenhos é indiscutível, e que há transmissão comunitária em Madri também o é”, disse o ministro. Ele destacou a importância de evitar que essa situação se propague para outras comunidades e pelo resto de Espanha.

O ministro do Interior da Espanha, Fernando Grande-Marlaska, disse na mesma coletiva de imprensa que foi ordenado imediatamente o envio de membros da Polícia Nacional e da Guarda Civil para garantir a conformidade com as restrições aprovadas.

Assim, haverá “controles em pontos de acesso e saída dos municípios afetados pelo decreto de emergência” e nas principais estações de transportes públicos.

A decisão foi comunicada à chefe do governo regional, Isabel Díaz Ayuso. Em 30 de setembro, o governo central da Espanha endureceu as restrições em Madri, mas as autoridades regionais recorreram da decisão, e esta semana a Justiça deu ganho de cauda para Madri. O governo espanhol então mudou aspectos jurídicos do decreto e voltou a anunciá-lo.

A Espanha é o país da Europa com o maior número de casos do novo coronavírus.