Gastos com energia limpa devem triplicar para conter mudanças climáticas, diz AIE

101
Foto: União Europeia (UE)

As mudanças climáticas perigosas devem ocorrer mesmo se os diversos países que se comprometeram a diminuir as emissões de carbono conseguirem cumprir suas promessas, informou o novo relatório energético da Agência Internacional de Energia (AIE).
Segundo a agência, o aumento das temperaturas excederá o limite de menos de dois graus Celsius acima de níveis pré-industriais com o qual os líderes globais se comprometeram no Acordo de Paris.
“Alcançar uma recuperação real requer mais do que o triplo de investimentos em projetos de energia limpa e infraestrutura na próxima década”, disse Fatih Birol, diretor executivo da AiE, que supervisiona a energia para as nações ricas da Organização para Cooperação e
Desenvolvimento Econômico (OCDE).
A agência estimou que as promessas já anunciadas pelos governos cobrem menos de um quinto das emissões que o mundo deve cortar até 2030 se quiser permanecer capaz de atingir emissões líquidas zero até 2050.
Os esforços para acelerar a transição dos combustíveis fósseis não foram sem sucesso, disse a AIE. A agência disse que a recente decisão da China de encerrar seu apoio às usinas estrangeiras a carvão pode evitar a emissão de até 20 bilhões de toneladas métricas de dióxido de carbono – aproximadamente a mesma quantidade que seria economizada pela União Europeia ao atingir sua meta líquida.
Mesmo assim, políticos e líderes empresariais não estão investindo o suficiente no fornecimento de energia, disse a AIE, apontando para os recentes problemas de fornecimento de energia que levaram os preços da energia a subir e fizeram com que as empresas e fornecedores de energia de consumo lutassem para manter as luzes acesas.
Os estoques de gás natural relativamente baixos para a época do ano e os baixos níveis de vento na Europa coincidiram com a recuperação econômica pós-pandêmica, a escassez de carvão na China e a perspectiva de um inverno frio no hemisfério norte para elevar os preços dos combustíveis fósseis.
A AIE informou que a solução para a crise energética era aumentar drasticamente os investimentos em energia limpa. No início deste ano, a organização disse que o investimento em novos projetos de abastecimento de combustível fóssil deve cessar imediatamente se o mundo quiser atingir emissões de carbono zero até 2050.
“Há um risco iminente de mais turbulência para os mercados globais de energia. Não estamos investindo o suficiente para atender nossas necessidades futuras de energia e as incertezas estão preparando o terreno para um período volátil à frente”, disse Birol, da AIE.
O relatório também detalhou os ganhos econômicos que podem surgir com a transição. Se realizadas, as promessas dos governos de investimento em energia verde empregariam mais 13 milhões de trabalhadores em todo o mundo até o final da década, de acordo com a organização.