França apela a Irã a abster-se de medidas que piorem situação nuclear

154
O líder do Irã, aiatolá Ali Khamenei. (Foto: Aslan Media/Flickr)

São Paulo, 11 de fevereiro de 2021 – Paris apelou a Teerã a se abster de tomar novas medidas que possam piorar a situação nuclear, e a voltar a aderir ao acordo nuclear, declarou o Ministério das Relações Exteriores da França. As informações são da agência de notícias “Sputnik”.

“Pedimos ao Irã que não adote nenhuma nova medida que agrave ainda mais a já tão preocupante situação nuclear (…) e instamos a voltar a cumprir o acordo nuclear”, disse um porta-voz do Ministério das Relações Exteriores francês à imprensa.

Da mesma forma, continuou ele, Paris saúda a disposição da nova administração dos Estados Unidos de retomar uma abordagem diplomática na questão nuclear iraniana com vistas a retornar ao acordo nuclear.

“A França está em contato próximo com outros participantes do acordo nuclear e os Estados Unidos para trabalhar para atingir esse objetivo”, disse ele.

Ontem o “The Wall Street Journal” relatou, citando um relatório confidencial da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), que o Irã já está produzindo urânio metálico. De acordo com o documento, o Irã fabricou uma pequena quantidade, sem enriquecimento, desse material em 8 de fevereiro em uma instalação nuclear em Isfahan. Para usar urânio metálico no núcleo de uma arma nuclear, o Irã precisaria de cerca de meio quilo de material altamente enriquecido, disse o jornal.

Em dezembro passado, Teerã anunciou que começaria a produzir urânio metálico dentro de cinco meses, causando alarme entre os diplomatas ocidentais. Em meados de janeiro, os chanceleres da Alemanha, França e Reino Unido instaram o país persa a interromper essa atividade e retomar os compromissos no âmbito do acordo nuclear.