Força de recuperação da eurozona está cercada de incerteza, diz Lagarde

200
A presidente do Banco Central Europeu (BCE), Christine Lagarde / Foto: Martin Lamberts/BCE

São Paulo – A economia da zona do euro começou a recuperar-se dos impactos da pandemia do novo coronavírus, mas a força da recuperação segue cercada de incertezas, com o setor de serviços ainda fraco, de acordo com a presidente do Banco Central Europeu (BCE), Christine Lagarde, em coletiva de imprensa.

“Os dados recebidos desde nossa última reunião de política monetária em julho sugerem uma forte recuperação da atividade amplamente em linha com as expectativas anteriores, embora o nível de atividade permaneça bem abaixo dos níveis prevalecentes antes da pandemia do coronavírus”, disse ela.

“A força da recuperação permanece cercada por uma incerteza significativa, pois continua altamente dependente da evolução futura da pandemia e do sucesso das políticas de contenção”, acrescentou, destacando que a atividade do setor industrial continuou a melhorar, enquanto o ímpeto no setor de serviços desacelerou um pouco recentemente.

Lagarde disse que a demanda doméstica melhorou, mas incertezas elevadas pesam nos gastos dos consumidores e investimentos de empresas. Já a taxa de inflação tem sido pressionada por preços baixos de energia, em um contexto de demanda moderada e retração do mercado de trabalho.

“Neste contexto, continua a ser necessário um amplo estímulo monetário para apoiar a recuperação econômica e salvaguardar a estabilidade de preços a médio prazo. Portanto, decidimos reafirmar nossa postura acomodatícia de política monetária”.

Por fim, ela disse que as medidas do BCE estão “fornecendo apoio crucial para impulsionar a recuperação da economia da zona do euro e garantir estabilidade de preços no médio prazo”.