FMI exclui reajuste adicional em negociação de dívida com Argentina

112
A diretora gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Kristalina Georgieva / Foto: FMI

Buenos Aires – A diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Kristalina Georgieva, disse que a entidade financeira não pedirá reajuste adicional da Argentina nas negociações para fechar um novo programa de refinanciamento da dívida de US$ 44 bilhões.
Durante esta semana, uma missão do Fundo está no país para se reunir com funcionários do governo nacional, representantes do Congresso, do setor privado, sindicatos e da sociedade civil.

“Viajamos para a Argentina para ouvir as autoridades, para ouvir o povo argentino. Nesta crise, temos sido muito claros que é importante dar suporte às empresas e, mais importante, aos trabalhadores. Por isso não viemos com a ideia de ‘bem, vamos ver como podemos ajustar os gastos’ ainda mais nestes tempos”, disse Georgieva durante uma entrevista à “CNN em Espanhol”.

“Vamos ver como ficariam as discussões. Esperamos ajudar a Argentina a definir objetivos de crescimento de médio prazo. Ver quais são os entraves ao crescimento. E também para que a economia saia mais forte para que possa atender às expectativas do povo argentino”, comentou o diretor-gerente do FMI sobre a visita da missão.

Ontem o ministro da Economia, Martín Guzmán, e o presidente do Banco Central (BCRA), Miguel Pesce, mantiveram “excelente encontro” com a delegação do Fundo, segundo fontes oficiais à agência oficial de notícias “Télam”.

A missão deve se reunir com representantes do Congresso, do setor privado, dos sindicatos e da sociedade civil nos próximos dias. A delegação vai avaliar as novas medidas econômicas aplicadas pelo governo e o projeto do Orçamento 2021 que está em avaliação no Congresso Nacional.

Tradução: Julio Viana