Exterior pesa e Bolsa fecha em queda e dólar em alta

Foto de Lorenzo / Pexels

São Paulo – O Ibovespa reverteu o movimento e fechou com leve queda de 0,19%, aos 116.180,55 pontos, seguindo o movimento das bolsas em Nova York, após passar boa parte em alta com os investidores acompanhando a fala do presidente da Petrobras, Joaquim Silva e Luna, na Comissão de Minas e Energia da Câmara, sobre a política de preços da empresa, apesar das ações da petrolífera caírem.

Por aqui, os investidores mantiveram cautela ainda em relação ao cenário político e fiscal no Brasil, apesar do aceno dado pelo presidente Jair Bolsonaro com a carta à Nação.

Para a equipe da Ouro Preto Investimentos, apesar de o Ibovespa ter apresentado alta na sessão de hoje, o mercado segue com precaução ” em relação ao ambiente politico e fiscal no Brasil. Para a Bolsa conseguir um movimento de alta mais consistente tem de ver como será resolvido a questão dos precatórios e como será financiado o Bolsa Família”, ressaltou.

O mercado passou a acompanhar o mercado norte-americano, que opera em queda. “Nos Estados Unidos, a preocupação  é com o tapering e com o resultado do CPI [sigla em inglês] abaixo do esperado, o mercado espera a redução de estímulos comece entre novembro e dezembro”, destacou a equipe da Ouro Preto Investimentos.

A equipe da Ouro Preto Investimentos afirmou que a fala do presidente da Petrobras “foi dentro do esperado em relação a segurar a volatilidade  dos preços no mercado internacional”. E o mercado gostou que “aparece que não tem nenhuma indicação de uma nova intervenção na empresa mesmo com fala do Arthur Lira e do Bolsonaro”.

O Itaú revisou a estimativa do Produto Interno Produto (PIB) para 2022, de 1,5% para 0,50% e para este ano a projeção de crescimento passou de 5,7% para 5,3%.

Flavio Conde, head de renda variável da Levante, afirmou que a firmeza do presidente da Petrobras em defender a manutenção da política de preços da estatal “ajuda o mercado a comprar um pouco”. Mas ressaltou que a estatal poderia estar em torno de R$ 34 e 35 “se os riscos políticos não existissem e se a empresa fosse privatizada estaria em R$ 50. O investidor não tem motivo contundente de ficar comprador em Petrobras e muitos não têm mais a empresa no portfólio após o melhor trimestre de lucro da história”. Os papéis da estatal (PETR3 e PETR4) caíram 0,74% e 1,33%, cotados a R$ 26,68 e R$ 25,88.

As ações da Vale (VALE3) sofreram mais um dia com a queda do minério no mercado internacional e fecharam em baixa de 0,70%, a R$ 94,09.

Jansen Costa, sócio-fundador da Fatorial Investimentos, os vários eventos de hoje estão agitando o mercado. “O CPI dos Estados Unidos veio em linha com o esperado, mas temos de ficar atentos com a entrada do inverno por lá com o possível aumento da energia, que está fora do core do CPI e pode impactar a inflação no segundo semestre, mas no curto prazo está tranquilo”.

Em relação à Petrobras, o presidente da estatal está reafirmando o que as pessoas deveriam conhecer que “é difícil mexer na política de preços da Petrobras porque está no estatuto e gera volatilidade, mas está mais normalizado”, citou o sócio fundador da Fatorial Investimentos.

Costa comentou que o movimento de melhora no cenário político também favorece o mercado de ações.

Pela manhã, foi divulgado o índice de preços ao consumidor em agosto dos Estados Unidos, que subiu 0,3% em comparação com julho, já descontados os fatores sazonais. Os analistas previam alta de 0,4% . Nos 12 meses até agosto, o índice aumentou 5,3% e o mercado estimava ganho de 5,4% em base anual.

O dólar comercial fechou em R$ 5,2580, com alta de 0,67%. A moeda-norte americana foi impactada principalmente pelo discurso do presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, alegando que a taxa básica de juros irá subir até onde for necessário, porém sem sobressaltos a cada indicador divulgado.

De acordo com o economista da Guide Investimentos, Alejandro Ortiz, “a fala de Campos Neto praticamente cravando um aumento de 100pp na Selic (taxa básica de juros) surpreendeu o mercado, já que as expectativas giravam entre 125 e 150 pontos”.

Ortiz destaca, ainda, que com este aumento abaixo das expectativas o dólar tende a se valorizar, já que existe o temor de um descontrole da inflação.

Para o economista-chefe da Necton, André Perfeito, “o câmbio está ‘de lado’ e o mercado em standby, aguardando os desdobramentos do tweet do Lira. Tudo pode acontecer”.

Na manhã desta terça, o presidente da Petrobras, Joaquim Silva e Luna, participou de comissão geral no plenário da Câmara dos Deputados. “Sabemos que há uma série de incidências sobre o preço da gasolina que não tem a ver com o custo da Petrobras e nós não passamos a volatilidade momentânea dos preços internacionais”, disse o executivo em resposta aos questionamentos dos deputados sobre o preço dos combustíveis.

Segundo o gestor de renda fixa da Porto Seguro Investimentos, Bruno Canesin, “o Roberto Campos deixou claro que irá alterar a Selic o quanto for necessário, mas que não irá alterar o ‘plano de voo’ a cada dado novo”.

Canesin também destaca a importância do BC no controle do câmbio: “a garantia que Campos Neto passou sobre o overhedge (proteção cambial adicional dos bancos), de que a instituição ‘fará frente a essa demanda pontual de final de ano’, também contribui para o movimento do dólar nesta terça”, pontua o gestor.

As taxas dos contratos futuros de Depósito Interfinanceiro (DI) encerraram em queda. Nem mesmo a virada nos mercados no período da tarde fez com que as taxas mudassem de direção também. Aqui no Brasil os investidores ficaram atentos ao depoimento do presidente da Petrobras, Joaquim Silva e Luna, na Comissão de Minas e Energia da Câmara, sobre a política de preços da empresa e reforçou que não existe interferência do Executivo.

Ao final da sessão regular, o DI para janeiro de 2022 tinha taxa de 7,01%, de 7,295% no ajuste de ontem; o DI para janeiro de 2023 projetava taxa de 8,86%, de 9,15%; o DI para janeiro de 2025 ia a 10,04%, de 10,14% antes; e o DI para janeiro de 2027 tinha taxa de 10,46%, de 10,49%, na mesma comparação.

Os principais índices do mercado de ações dos Estados Unidos fecharam o pregão em queda apesar do índice de preços ao consumidor de agosto ter vindo abaixo do previsto pelos analistas.

Confira abaixo a variação e a pontuação dos principais índices de ações dos Estados Unidos:

Dow Jones: -0,84%, 34.577,57 pontos
Nasdaq Composto: -0,45%, 15.037,8 pontos
S&P 500: -0,57%, 4.443,05 pontos