Evans, do Fed, diz que emprego e inflação ainda precisam aumentar mais nos EUA

O presidente da unidade do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) de Chicago, Charles Evans / Foto: Fed Chicago

São Paulo – O presidente da unidade de Chicago do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) disse que o emprego e a inflação terão que aumentar substancialmente antes que ele mude sua posição sobre a política monetária.

Falando após o relatório de empregos decepcionante de sexta-feira, Evans disse que ainda acredita que o quadro de empregos é forte, embora áreas significativas de fraqueza permaneçam.

“É um pouco mais complicado. Estamos reiniciando a economia. Muitos setores estão passando por dificuldades de crescimento “, disse Evans em entrevista à rede de televisão CNBC. “Esperançosamente, é só esse mês e vamos conseguir um mercado de trabalho melhor. Certamente acho que sim. ”

Segundo o departamento de Trabalho, foram abertas apenas 266 mil vagas em abril, bem abaixo da estimativa de 1 milhão. Isso deixou o emprego total mais de 7,5 milhões abaixo de fevereiro de 2020, um mês antes do início da pandemia de covid-19.

Evans observou que o mercado de trabalho continua recebendo forte apoio político por meio dos trilhões gastos no Congresso e nas próprias políticas do Fed.

Mas, com a melhora da economia, os investidores começaram a se perguntar quando o Fed poderia começar a recuar em suas medidas. O banco central está mantendo a meta de juros básica na faixa entre zero e 0,25% e continua comprando pelo menos US$ 120 bilhões em títulos por mês.

Evans indicou que as principais medidas que o Fed observa – emprego e inflação – permanecem muito longe dos níveis que o persuadiriam a apertar.

“Acho que vai levar algum tempo para realmente vermos algo indicativo nos dados”, disse ele. “Não posso te dar um prazo.”

Além do fraco número de empregos, a inflação permanece abaixo da meta média de 2% do Fed. Evans disse que provavelmente levará meses para atingir essa meta, acrescentando que se sentiria confortável se a inflação subisse um pouco mais por um tempo.

“Para obter uma média de 2%, você precisa estar acima de 2% por algum período de tempo”, disse ele. “Portanto, as taxas de inflação de 2,5% não me incomodam, contanto que seja consistente com uma média de 2% ao longo de algum período de tempo.”

Embora o mercado preveja que o Fed pelo menos diminuirá o ritmo de suas compras de títulos no final de 2021 ou no início do ano seguinte, Evans não forneceu uma estimativa.

“Só teremos que ver como os dados sairão este ano”, disse ele. “Quando eles estiverem mais fortes, quando estivermos perto de nosso objetivo de emprego e a inflação estiver aumentando, falaremos sobre isso.”