EUA proíbem entrada de brasileiros devido à pandemia de covid-19

424
O ex-presidente norte-americano, Donald Trump, participa de coletiva com o presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, no Jardim das Rosas da Casa Branca / Foto: Casa Branca

São Paulo – O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, proibiu ontem a entrada de brasileiros em território norte-americano ontem, devido ao grande número de casos de covid-19 presente no Brasil. Segundo Trump, a transmissão da doença por brasileiros é uma ameaça À segurança e infraestrutura do país.

“O potencial de transmissão não detectada do coronavírus por indivíduos infectados que buscam entrar nos Estados Unidos a partir da República Federativa do Brasil ameaça a segurança de nosso sistema de infraestrutura, de transporte e a segurança nacional, e eu determinei que é do interesse dos Estados Unidos tomar medidas para restringir e suspender a entrada no país,  como imigrantes ou não imigrantes, de todos os estrangeiros que estiveram fisicamente presentes na República Federativa do Brasil durante o período de
14 dias que antecede sua entrada ou tentativa de entrada nos Estados Unidos”, afirmou Trump em comunicado da Casa Branca.

De acordo com o comunicado, as exceções para a nova norma se aplicam a cidadãos norte-americanos, estrangeiros casados ou pais de cidadãos norte-americanos ou estrangeiros que viajam a convite do governo dos Estados Unidos.

Segundo Trump, no entanto, as relações comerciais entre os dois países permanecem inalteradas. “O livre fluxo de comércio entre os Estados Unidos e a República Federativa do Brasil continua sendo uma prioridade econômica para os Estados Unidos, e continuo comprometido em facilitar o comércio entre nossas nações”, afirma o presidente norte-americano.

Os Estados Unidos é o país com mais casos do novo coronavírus em todo o mundo, com 1.643.499 infecções e o número de óbitos se aproximando dos 100 mil, com 97.722 mortes. O Brasil chegou ao posto de segundo lugar com mais infectados no globo. São 363.211 casos e 22.666 óbitos.

AJUSTES TÉCNICOS

O Ministério das Relações Exteriores do Brasil minimizou o veto anunciado por Trump. Em nota enviada à agência de notícias “Sputnik”, o Ministério das Relações Exteriores brasileiro destaca que “a decisão do governo dos Estados Unidos se baseou em critérios técnicos, que levam em consideração uma combinação de fatores, como casos totais, tendências de crescimento, volume de viagens, entre outros”.

Além disso, o ministério brasileiro sustenta que a decisão de suspender temporariamente a entrada de viajantes do Brasil é semelhante àquela que suspendeu anteriormente a entrada de viajantes de outros países afetados pela covid-19, como China, Irã e Reino Unido, Irlanda e os países que fazem parte do espaço Schengen da União Europeia.

O Ministério das Relações Exteriores destaca ainda que a medida não proíbe voos entre os Estados Unidos e o Brasil, nem afeta o fluxo comercial entre os dois países, e que também contempla várias exceções.

Além disso, diz também que é semelhante ao que o Brasil já adotou “para cidadãos de todas as nacionalidades, incluindo norte-americanos” e similares adotados por uma ampla variedade de países.

O governo brasileiro também destaca que os dois países mantiveram cooperação bilateral “importante” na luta contra a covid-19. Segundo o ministério, os Estados Unidos doaram cerca de US$ 6,5 milhões para mitigar os impactos socioeconômicos e de saúde da pandemia. Em 24 de maio, representantes da Casa Branca anunciaram a doação de 1.000 respiradores ao Brasil.