EUA criam 266 mil empregos em abril; taxa de desemprego sobe a 6,1%

Foto: ThisIsEngineering / Pexels

São Paulo – A economia dos Estados Unidos criou 266 mil postos de trabalho em abril e a taxa de desemprego subiu para 6,1%, de 6% em março. O número de vagas criadas ficou abaixo da projeção dos analistas, que esperavam abertura de 1,05 milhão de vagas. A taxa de desemprego veio acima da previsão, de 5,8%.

Os dados foram divulgados pelo Departamento do Trabalho do país e as estimativas foram levantadas com analistas pela Agência CMA. O Departamento do Trabalho informou também que em março foram criados 770 mil postos de trabalho, menos que as 916 mil vagas divulgadas na leitura preliminar.

O salário médio por hora no setor privado somou US$ 30,17 em abril, alta de 0,7% ante os US$ 29,96 registrados em março e alta de 0,3% em comparação aos US$ 30,07 em abril do ano anterior. A previsão era de queda de 0,2% em base mensal e estabilidade em termos anuais. Por semana, os empregados trabalharam, em média, 35,00 horas em abril, alta de 0,3% ante as 34,90 horas em março.

O total de pessoas empregadas somou 151,176 milhões em abril, alta de 328 mil, ou de 0,2%, ante o mês anterior. Esse número inclui trabalhadores de todos os segmentos produtivos privados e públicos, com exceção do setor rural. O total de desempregados foi estimado em 9,812 milhões, aumento de 102 mil, ou de 1,1%.

A População Economicamente Ativa (PEA) foi estimada em 160,988 milhões de pessoas, alta de 430 mil em base mensal. A taxa de participação da força de trabalho, ou seja, a proporção da PEA em relação à população civil total, subiu para 61,7%, de 61,5% em março.

O setor privado norte-americano criou 218 mil postos de trabalho em abril. Deste total, o setor de serviços foi responsável pela geração de 234 mil vagas, enquanto o setor industrial – que inclui manufaturas, mineração e construção – fechou 16 mil vagas. Em março, o setor de serviços havia criado 542 mil vagas, e o industrial havia aberto 166 mil.

Dentro da indústria, as manufaturas perderam 18 mil postos de trabalho, a construção civil fechou 0 mil vagas e a mineração gerou 2 mil empregos. O setor público criou 48 mil postos de trabalho, após abrir 62 mil em março.