EUA condenam lei de segurança da China para Hong Kong

173

São Paulo – Os Estados Unidos condenaram a proposta da China de impor “unilateralmente e arbitrariamente” a lei de segurança nacional em Hong Kong, de acordo com o secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, em comunicado.

“A decisão de contornar os processos legislativos bem estabelecidos de Hong Kong e ignorar a vontade do povo de Hong Kong seria uma sentença de morte para o alto grau de autonomia que Pequim prometeu para Hong Kong”, segundo Pompeo.

“Os Estados Unidos exortam fortemente Pequim a reconsiderar sua proposta desastrosa, cumprir suas obrigações internacionais e respeitar o alto grau de autonomia de Hong Kong, instituições democráticas e liberdades civis”, acrescentou o secretário. “Estamos com o povo de Hong Kong”.

Ontem, um porta-voz da Assembleia Popular Nacional chinesa, Zhang Yesui, disse que os legisladores deliberarão sobre um projeto de lei destinado a interromper as atividades secessionistas e subversivas, a interferência estrangeira e o terrorismo em Hong Kong.

A expectativa é de que a Assembleia, que começou hoje sua sessão anual, aprove a resolução na próxima semana. Hoje, Wang Chen, uma autoridade da legislatura chinesa, disse que pequim planeja deixar agentes de segurança estatais operarem oficialmente na região autônoma.

Hong Kong foi consumida por distúrbios antigovernamentais desde o último verão [no Hemisfério Norte], principalmente contra a ingerência de Pequim. Os manifestantes entoaram slogans e agitavam faixas denunciando o Partido Comunista, o que provocou repreensões de Pequim, enquanto um pequeno mas crescente grupo começou a pedir independência para a cidade.