Estados Unidos mantêm restrições de entrada para estrangeiros

Foto: Pexels

São Paulo – O governo de Joe Biden não tem planos imediatos de liberar a entrada de estrangeiros nos Estados Unidos e também não agirá em reciprocidade com governos que abrirem suas fronteiras aos norte-americanos, segundo a Casa Branca.

“Vamos continuar sendo guiados pela ciência e pela situação da pandemia para definir liberações ou suspensões de viagens aos estrangeiros”, disse a porta-voz da Casa Branca, Jen Psaki, em entrevista coletiva.

Ontem, ela já havia afirmado que o governo não tinha planos de abrir suas fronteiras depois que o governo canadense anunciou que irá liberar a entrada de cidadãos e residentes dos Estados Unidos totalmente vacinados a partir de 9 de agosto.

A Casa Branca está sob pressão de aliados estrangeiros para retomar as viagens internacionais após manter proibições que foram inicialmente colocadas em prática no governo do ex-presidente Donald Trump.

Embora não tenha prazo, o governo de Joe Biden estabeleceu grupos de trabalho com aliados no Reino Unido e na União Europeia para a retomada de viagens, mas os resultados dessas discussões ainda não foram anunciados.

Ontem, o Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos (CDC, na sigla em inglês) e o Departamento de Estado aconselharam os norte-americanos a não viajarem para o Reino Unido, após o levantamento total de todas as restrições para a covid-19 na Inglaterra.

As crescentes preocupações com a variante Delta – inicialmente detectada na India – podem atrasar os planos do governo de Biden de abrir suas fronteiras aos estrangeiros. Mais cedo, a diretoria do CDC, doutora Rochelle Walensky, disse ao Senado que a cepa mais transmissível já corresponde a 83% dos casos sequenciados nos Estados Unidos.