Espanha declara estado de emergência com toque de recolher

142
Primeiro-ministro da Espanha, Pedro Sánchez / Foto: Pool Moncloa/ Borja Puig de la Bellacasa

São Paulo – A Espanha declarou estado nacional de emergência por ao menos 15 dias e impôs toque de recolher noturno como parte dos esforços para conter a propagação da segunda onda do novo coronavírus que se alastra pelo país.

Segundo o governo espanhol, será solicitado ao Congresso a extensão do estado de emergência por um período de seis meses. Se a situação epidemiológica da Espanha melhorar, as medidas restritivas podem ser retiradas antes disso.

Entre as principais medidas, a liberdade de movimento de pessoas será limitada das 23h às 6h no horário local, em toda a Espanha, exceto nas Ilhas Canárias. As comunidades autônomas podem modular o horário de início e término desta limitação.

Além disso, as comunidades autónomas podem limitar a entrada e saída dos seus territórios, total ou parcialmente, com algumas exceções, como atendimento a postos de saúde, centros educacionais e cumprimento de obrigações profissionais, entre outras.

Da mesma forma, as comunidades autónomas decidirão limitar a permanência de pessoas em espaços públicos ou privados a um número máximo de seis pessoas, salvo no caso de coabitantes. “As medidas adotadas vão depender da situação de cada território”, segundo o governo espanhol.

“Decretamos o estado de emergência em toda a Espanha. Desta forma, atendemos à demanda majoritária das comunidades autônomas, que entrará em vigor nesta tarde e solicitaremos ao Congresso sua prorrogação por 6 meses, tempo necessário para superar a fase mais danosa da pandemia”, disse o premiê espanhol, Pedro Sánchez, ontem em coletiva de imprensa.

“Este novo estado de alarme possui características muito específicas que o diferenciam do anterior. Os presidentes regionais serão as autoridades delegadas em seus territórios”, disse ele, citando também o toque de recolher noturno.

Ele pediu o apoio das forças políticas ao estado de emergência, e disse que o governo continuará prestando contas de 15 em 15 dias. Por fim, Sánchez disse compreender a angústia dos cidadãos, agradeceu o apoio até aqui e pediu disciplina. “Precisamos de disciplina, do melhor de cada um e da força de cada um e de todos. E assim, vamos conseguir. Unidos contra o vírus”, concluiu.

Na sexta-feira passada, Sánchez reconheceu que a situação no país é grave e disse que decretaria estado de emergência em regiões consideradas pontos críticos de infecções de covid-19.  A Espanha possui o maior número de contaminações na Europa, com mais de 1 milhão de casos e 34 mil mortes.