Endividamento de famílias engata 4ªalta em março e está perto de recorde, diz CNC

São Paulo – O número de famílias com dívidas cresceu em março pelo quarto mês seguido e está perto do recorde atingido em agosto de 2020, segundo dados da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC).

Segundo a CNC, o percentual de famílias endividadas no Brasil alcançou 67,3% do total em março deste ano, uma alta de 0,6 ponto percentual (pp) em relação ao mês anterior e de 1,1 pp em comparação a março de 2020. O indicador está a 0,2 pp da máxima histórica de 67,5%.

“Apesar de estarem sendo obrigadas a restringir o consumo, as famílias mais pobres podem precisar recorrer ao crédito para situações de urgência ou iniciativas de empreendedorismo, como forma de complementação de renda. Por outro lado, a mudança de trajetória na política monetária, com aumento dos juros, fará com que as famílias adotem ainda mais rigor na contratação de dívidas”, disse a economista da CNC responsável pelo estudo, Izis Ferreira.

Os dados mostram que o percentual de famílias com contas ou dívidas em atraso caiu para 24,4%, ou 0,9 pp abaixo do apurado em março de 2020, enquanto a parcela das famílias que declararam não ter condições de pagar suas contas ou dívidas em atraso – e que, portanto, permanecerão inadimplentes – aumentou em 0,3 pp em termos anuais, para 10,5%.

A proporção de famílias que se declararam muito endividada em março caiu para 13,8%, menor parcela desde setembro de 2019. Mais uma vez, a comparação anual também mostra redução do indicador. O cartão de crédito seguiu como principal modalidade de dívida, voltando a crescer este mês e representando 80,3% dessas famílias.