Embraer corta 900 empregos em ajuste para enfrentar crise

177
Foto divulgação: Embraer

São Paulo – A Embraer anunciou o corte de 900 colaboradores no Brasil, o equivalente a 4,5% do seu efetivo total, na esteira de medidas dos impactos causados pela crise gerada pelo coronavírus e pelo cancelamento da parceria com a Boeing. De acordo com a fabricante, o objetivo das medidas é assegurar a sustentabilidade da empresa e sua capacidade de engenharia.

Em comunicado, a empresa explicou que a pandemia afetou particularmente a sua aviação comercial, que no primeiro semestre de 2020 apresentou redução de 75% das entregas de aeronaves, em comparação com o mesmo período do ano passado.

Além disso, a situação foi agravada com a duplicação de estruturas para atender a separação da aviação comercial, para atender a parceria com a Boeing, além da falta de expectativa de recuperação do setor de transporte aéreo no curto e médio prazo.

A Embraer ressaltou ainda que desde o início da pandemia adotou uma série de medidas para preservar empregos como férias coletivas, redução de jornada, lay-off, licença remunerada e três planos de demissão voluntária (PDV).

Também reduziu o trabalho presencial nas unidades industriais com o objetivo de zelar pela saúde dos colaboradores e garantir a continuidade dos negócios. Segundo a fabricante, os três PDVs registraram adesão voluntária de cerca de 1,6 mil colaboradores no Brasil.

“A companhia reconhece e agradece o empenho sempre demonstrado pelos profissionais que deixam a organização neste momento. E conta com o engajamento de todos para atravessar a grave crise atual e manter a empresa competitiva no mercado global”.