Em decisão unânime, Copom elava Selic em 0,75 pp, para 4,25% ao ano

Comitê de Política Monetária (Copom). (Foto: Beto Nociti/BCB)

Brasília – O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) aumentou pela terceira vez consecutiva a taxa básica de juros, a Selic, em 0,75 ponto percentual (pp), a 4,25% ao ano (aa). O comunicado emitido na decisão de março já trazia essa sinalização. A decisão, que foi unânime, ficou em linha com a previsão das 20 instituições financeiras consultadas pela Agência CMA.

O Copom avaliou que a atividade econômica, apesar da segunda onda da pandemia de covid-19, segue mostrando uma evolução mais positiva levando à melhoria nas revisões das projeções de crescimento e reduzindo os riscos para recuperação econômica.

“Em relação à atividade econômica brasileira, apesar da intensidade da segunda onda da pandemia, os indicadores recentes continuam mostrando evolução mais positiva do que o esperado, implicando revisões relevantes nas projeções de crescimento. Os riscos para a recuperação econômica reduziram-se significativamente”, informou o comunicado.

O comitê avaliou que a incerteza ainda segue elevada a respeito dos riscos inflacionários, o que torna o ambiente desafiados para os países emergentes. “A incerteza segue elevada e uma nova rodada de questionamentos dos mercados a respeito dos riscos inflacionários nessas economias pode tornar o ambiente desafiador para países emergentes”.

No comunicado, o Copom indica ainda que há persistência da pressão inflacionária maior que o esperado, principalmente entre os bens industriais. Isso aliado a “lentidão da normalização nas condições de oferta, a resiliência da demanda e implicações da deterioração do cenário hídrico sobre as tarifas de energia elétrica contribuem para manter a inflação elevada no curto prazo, a despeito da recente apreciação do real”.

O comitê avaliou que as diversas medidas de inflação subjacente apresentam-se acima do intervalo compatível com o cumprimento da meta para a inflação.