Educacional registra prejuízo líquido de R$ 168,3 mi no 4T19

320

São Paulo – A Cogna, antiga Kroton, reverteu lucro e teve prejuízo líquido R$ 168,316 milhões no quarto trimestre de 2019. O lucro líquido ajustado, que engloba amortização de intangível e mais valia de estoque, foi de 73,1% menor e somou R$ 51,619 milhões na base de comparação anual.

Em 2019, o lucro líquido atingiu R$ 241,665 milhões, queda de 82,1%, enquanto o lucro líquido ajustado caiu 48,9% e somou R$ 771,965 milhões.

No trimestre, a receita líquida totalizou R$ 1,929 bilhão, alta de 0,5%. Já o ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) somou R$ 534,984 milhões, 9,5% inferior ao mesmo período de 2018. O ebitda recorrente, por sua vez, foi de R$ 660,691 milhões no trimestre, queda de 16,4% na comparação anual.

A provisão para créditos de liquidação duvidosa subiu 89,2% no trimestre, para R$ 342,239 milhões na comparação anual. As despesas operacionais da empresa foram de R$ 94,951 milhões, queda de 56,2% no trimestre.

Em termos operacionais, a base de alunos no ensino superior presencial caiu 9,8% no quarto trimestre em relação ao mesmo período do ano passado, para 329,437 mil. No segmento de graduação, houve queda de 10,3% para 321,371 mil, enquanto na pós-graduação o número é de 8,066 mil alunos, 11,9% maior que o mesmo período de 2018.

No ensino a distância (EAD), houve alta de 0,3% no trimestre, para 492,172 mil alunos. Na graduação, o aumento foi de 0,4%, para 459,025 mil alunos, enquanto na pós-graduação houve queda de 1,5% no período, para 33,137 mil.

Ao final do trimestre, a Cogna contava com 822 mil alunos no ensino superior (graduação e pós-graduação), considerando as modalidades presencial e EAD. A penetração de FIES totalizou 13,1% da base de alunos de graduação presencial. Segundo a companhia, ao final de 2020 estima-se que 6% da base presencial ou 2,1% da base total de alunos utilizem o FIES.

A Cogna possuía dívida líquida de R$ 7,241 bilhões ao final do trimestre, alta de 42,3% na comparação anual, enquanto o total de disponibilidades somava R$ 843,073 milhões, sendo R$ 63 milhões em caixa e R$ 843 milhões em aplicação, 67,5% menor que o visto no mesmo período do ano anterior.