Ecorodovias fará aumento de capital de até R$ 1,8 bi

168

São Paulo – Os co-controladores indiretos Primav e Igli celebraram um contrato de dissociação para fortalecer significativamente a situação financeira e a posição competitiva da Ecorodovias, viabilizando a busca de oportunidades de investimento que irão surgir futuramente por meio de leilões anunciados pelos governos estaduais e federal.

O aumento de capital será feito através de uma oferta pública de novas ações ordinárias que atingir até R$ 1,8 bilhão, desconsiderando quaisquer eventuais ações adicionais. A capitalização da Ecorodovias tem como objetivo criar valor para todos os stakeholders, assegurando a viabilidade da empresa no longo prazo.

Em comunicado, a empresa explicou que a maioria das novas ações a serem emitidas como resultado da capitalização será subscrita pela Igli. A depender do resultado a Igli poderá vir a consolidar o controle da Ecorodovias, simplificando sua estrutura de governança.

Com o contrato de dissociação entre as partes, a Primav Infra será parcialmente cindida e, como resultado, a Igli deixará de ser sua acionista e receberá ações da Ecorodovias e da Concessionária do Monotrilho da Linha 18 Bronze, atualmente detidas pela Primav Infra.

Como resultado da reorganização, a estrutura de controle compartilhado da companhia atualmente existente, passará diretamente para a Ecorodovias, onde a Igli e a Primav irão manter o controle compartilhado até a conclusão da capitalização.

No fechamento da reorganização, a Igli realizará uma contribuição de capital na Primav Infra para amortizar seu endividamento existente. Além disso, as empresas farão uma cisão parcial no qual à Primav transferirá à Igli 232.504.226 ações ordinárias da Ecorodovias e 135.923.941 ações ordinárias da Vem ABC, enquanto a Primav Infra permanecerá com 125.000.000 ações ordinárias da Ecorodovias e 73.076.059 ações ordinárias de emissão da Vem ABC.

As ações vinculadas ao acordo de acionistas aditado detidas pela Primav Infra estarão sujeitas a uma obrigação de proibição de negociação até 31 de dezembro de 2021 ou o período de três meses da capitalização ou o que ocorrer primeiro.

Segundo a concessionária, todos os acionistas terão o direito de preferência em relação à subscrição das novas ações. A Igli está obrigada a subscrever uma quantidade de novas ações com valor de emissão mínimo de R$ 1,2 bilhão. A Primav Infra já renunciou, em favor de todos os demais acionistas e sem qualquer contrapartida ao direito de preferência.