Economia norte-americana deve abrir 605 mil vagas e desemprego deve cair

179
Foto: Casa Branca

São Paulo – O mercado de trabalho dos Estados Unidos abriu 605 mil vagas em outubro, após a criação de 661 mil postos em setembro, e a taxa de desemprego caiu de 7,9% para 7,8%, segundo analistas consultados pela Agência CMA.

Os dados são uma mediana produzida a partir das projeções dos economistas, que oscilam entre a abertura de 500 mil a 700 mil de vagas, enquanto as estimativas para a taxa de desemprego variaram de 7,7% a 7,9%.

“A desaceleração no crescimento do emprego no setor privado provavelmente continuou este mês”, disse o analista da Capital Economics, Andrew Hunter, citando indicadores de emprego medidos pelo IHS Markit.

Em agosto, os Estados Unidos haviam criado 1,4 milhão de novas vagas de emprego, ainda segundo dados do governo norte-americano.

“A nova onda de casos de covid-19 começou tarde demais para ter muito impacto sobre os dados de outubro”, acrescentou ele.

Os números do índice dos gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) industrial dos Estados Unidos mostraram que o crescimento do emprego desacelerou em meio à diminuição da pressão sobre capacidade.

Além disso, os dados de criação de vagas de outubro não devem ver a redução de cerca de 280 mil vagas no setor de educação municipal e estadual, o que ajudou a puxar para baixo a abertura de postos de trabalho em setembro.

“O ganho do mês passado de 661 mil empregos foi mais baixo em parte pela menor contratação de educação do que o normal, conforme as escolas mudaram para aulas online e alguns empregos temporários do Censo foram encerrados”, disseram analistas do Wells Fargo, em relatório.

Para eles, demissões entre trabalhadores temporários do Censo serão um empecilho ainda maior para o payroll em outubro, com 147 mil funcionários a menos. Além disso, dados recebidos, como pedidos de seguro-desemprego e opiniões dos consumidores sobre o mercado de trabalho também sugerem que o ritmo de melhora continua moderado.

“O ritmo de melhoria nos novos pedidos de seguro-desemprego diminuiu substancialmente”, disse o economista do Scotiabank, Derek Holt, indicando que as contratações também desaceleraram.

“Uma segunda influência é se haverá mais chamadas de volta dos trabalhadores licenciados e em que ritmo em relação à conversão para demissões permanentes”, disse.

Segundo ele, ainda há 4,6 milhões de pessoas em demissão temporária ante o nível pré-pandêmico de 750 mil. “Não está claro quantos podem ser trazidos de volta, especialmente à medida que as restrições à pandemia aumentam”.

ADP E GANHOS POR HORA

O índice de criação de vagas no setor privado, medido pela Automatic Data Processing (ADP) e pela Macroeconomic Advisers, também é outro dado observado pelo mercado, que passou a acompanhá-lo como uma espécie de prévia do relatório mais amplo sobre o emprego elaborado pelo Departamento do Trabalho, que será divulgado na sexta-feira.

Em outubro, o setor privado dos Estados Unidos abriu 365 mil vagas de trabalho, excluindo o setor rural. Em setembro, o número de vagas criadas foi revisado para cima, passando de 749 mil para 753 mil, segundo a ADP.

Os ganhos por hora também serão observados pelo mercado. Segundo projeções feitas pela Agência CMA, o salário médio por hora deve avançar 0,2% em outubro em base mensal, e 4,6% em base anual.

Em setembro, o salário médio por hora no setor privado somou US$ 29,47, alta de 0,1% ante os US$ 29,45 registrados em agosto e de 4,7% em comparação aos US$ 28,16 em setembro do ano anterior.