Deputados querem manter potência fiscal da reforma, afirma Ramos

Por Gustavo Nicoletta

São Paulo – O sentimento na Câmara dos Deputados é de preservar a potência fiscal da nova Previdência, mesmo com a remoção de algumas das alterações propostas pelo governo, afirmou o deputado Marcelo Ramos (PR-AM), que preside a comissão especial que analisa a proposta de reforma previdenciária.

Ele lembrou que em março 14 partidos assinaram um manifesto público contra as alterações propostas pelo governo nas aposentadorias rurais e no Benefício de Prestação Continuada (BPC) a idosos, e que se estas mudanças fossem retiradas da proposta haveria redução na economia esperada com o projeto, de R$ 1,236 trilhão de 2020 a 2029.

“Se considerarmos que BPC são R$ 36 bilhões e aposentadoria rural R$ 90 bilhões, e que alguns deputados tenham se manifestado contra as alterações para [o regime dos] professores], mais R$ 12 bilhões, ainda teríamos economia de R$ 1,1 trilhão [em dez anos]”, disse ele durante evento promovido pelos jornais “Correio Braziliense” e “Estado de Minas”.

De acordo com Ramos, os deputados querem “fazer os ajustes necessários, mas preservando o que o ministro [da Economia, Paulo Guedes,] chama da potência fiscal”, para que seja possível colocar em discussão a proposta de alteração no regime do sistema previdenciário – do atual modelo de repartição para o de capitalização.

Ramos acrescentou que alguns itens da Previdência, como a idade mínima para as aposentadorias, devem ser removidos da Constituição, visto que isso facilitaria as alterações no futuro, mas que a remoção de outras partes referentes à Previdência da Carta Magna precisa ser discutidos “item a item, não como tese abstrata”.

WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com