Demanda por voos domésticos cai 44,7% em outubro, mas mantém recuperação mensal

No mês, a Gol foi a líder do mercado doméstico, com 39,2%, seguida pela Latam, com 30,7% e Azul com 29,4%

209
Foto: Divulgação / Governo britânico

São Paulo – Em outubro, a demanda doméstica por voos foi 4,6 milhões passageiros por quilômetros transportados (RPK) – número de passageiros pagantes multiplicados pela distância de cada voo, o que representa uma queda 44,7% na comparação com o mesmo mês do ano anterior, segundo a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac).

Apesar da queda anual, os indicadores do transporte aéreo no mês apontam que o setor segue em ritmo de crescimento, considerando os impactos causados pela pandemia do coronavírus. Na comparação com os meses anteriores, os dados do mês mostraram tendência de recuperação iniciada em junho, em que o RPK melhorou gradualmente de 85,0% para 55,1% até setembro, mas ainda assim, inferiores aos meses de 2019.

A oferta total somou 5,8 milhões de assentos-quilômetro oferecidos (ASK) número de poltronas disponíveis multiplicado pela distância de cada voo – e também teve queda de 41,2% na mesma base de comparação. A taxa de ocupação caiu 6% em agosto, para 79,0%.

“O setor aéreo brasileiro tem diminuído as perdas nos principais indicadores após forte retração provocada pela pandemia do novo coronavírus. No mês de outubro, embora tenha ocorrido redução de 44,7% na demanda e 41,2% na oferta em comparação com mesmo período de 2019, os dados apontam aumento no número de voos e de passageiros transportados em relação aos meses anteriores. Por outro lado, a recuperação do mercado internacional tem acontecido de forma mais lenta”, disse a agência em nota.

No mercado internacional, a demanda caiu 88,2% no mês passado quando comparado ao mesmo período de 2019, para 1,353 milhão de passageiros, enquanto a oferta retraiu 73,7% e somou 3,559 milhões de assentos. No período, a taxa de ocupação dos aviões ficou em 38,0%, recuo de 55,2% em relação a outubro de 2019.

Em outubro, a participação das companhias aéreas no mercado doméstico tinha como líder a Gol, com 39,2%, seguida pela Latam, com 30,7% e Azul com 29,4%. No âmbito internacional, a Tap Portugal registrava participação de 16,1%, a Latam tinha 11,4% e a Azul detinha 8,0%.