Demanda global deve crescer no fim do ano e em 2022, diz AIE

Foto: Exxon Mobil

São Paulo – Após uma queda de três meses na demanda global de petróleo devido à propagação da variante Delta do novo coronavírus, os programas de vacinação devem impulsionar recuperação do apetite por combustível no final do ano, disse a Agência Internacional de Energia (AIE) em seu relatório.

“Já estão surgindo sinais de casos de covid-19 diminuindo com a demanda agora esperada para se recuperar em acentuados 1,6 milhão de barris por dia (bpd) em outubro, e continuando a crescer até o final do ano”, escreveu a IEA. Segundo ela, espera-se agora que a demanda global de petróleo aumente 5,2 milhões de bpd este ano e 3,2 milhões de bpd em 2022.

A AIE previu uma recuperação robusta no mercado a partir do quarto trimestre do ano, citando “forte demanda reprimida e progresso contínuo nos programas de vacinação”.

As projeções da AIE para o crescimento da demanda em 2021 foram 760.000 bpd abaixo das divulgadas pela OPEP na segunda-feira, e sua perspectiva de crescimento em 2022 foi 950.000 bpd inferior à da OPEP.

A agência relatou que o fornecimento mundial de petróleo caiu 540 mil de bpd em base anual em agosto para 96,1 milhões de bpd e deve se manter estável em setembro, já que interrupções não planejadas compensaram os aumentos da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e seus aliados, conhecidos como Opep+.

“O furacão Ida retirou da produção de petróleo cerca de 1,7 milhão de bpd ao passar pela Costa do Golfo dos Estados Unidos no final de agosto, com perdas potenciais de abastecimento se aproximando de 30 milhões de barris”, afirma o documento.

Uma tendência de alta na oferta deve ser retomada em outubro, à medida que a Opep+ continua a desfazer os cortes, as interrupções são resolvidas e à medida que outros produtores voltam a soltar petróleo no mercado.