Dado de emprego de julho reforça necessidade de ajuda robusta, diz Pelosi

162
Nancy Pelosi EUA Câmara
A presidente da Câmara dos Deputados dos Estados Unidos, Nancy Pelosi, ao centro. Foto: Divulgação/ Casa Branca

São Paulo — A presidente da Câmara dos Deputados dos Estados Unidos, a democrata Nancy Pelosi, disse que o desempenho do mercado de trabalho norte-americano em julho reforça a necessidade de uma nova rodada de ajuda mais robusta.

“O payroll mostrou que a economia está perdendo ímpeto e quando isso acontece é sinal de que é preciso um pacote de estímulos substancial”, afirmou ela durante entrevista coletiva.

O Departamento de Trabalho informou que a economia dos Estados Unidos criou 1,763 milhão de postos de trabalho em julho e que a taxa de desemprego caiu para 10,2%, de 11,1% em junho.

O número de vagas criadas ficou acima da projeção dos analistas consultados pela Agência CMA, que esperavam abertura de 1,617 milhão de vagas. A taxa de desemprego veio abaixo da previsão, de 10,7%.

O líder da minoria no Senado, Chuck Schumer, que também participava da coletiva, reforçou o empenho da oposição em negociar a ajuda ao novo coronavírus, mas lembrou que sem o apoio dos democratas uma legislação sobre o assunto não poderá ser aprovada.

“Seguimos interessados em trabalhar em conjunto. O governo e os republicanos têm duas alternativas: fazer uma lei de ajuda forte com o apoio democrata – porque eles não têm maioria no Senado para aprovar nada sem o nosso apoio – ou passar um decreto fraco, que não desempenhará o papel de ajudar as pessoas como elas precisam”, disse ele.

Mais cedo, falando para a Bloomberg TV, o principal conselheiro econômico da Casa Branca, Larry Kudlow, afirmou que se o Congresso não chegar a um entendimento sobre os estímulos, o presidente norte-americano, Donald Trump, agirá por decreto.

Trump já havia mencionado esse hipótese, afirmando que poderia passar um decreto que mantém a ajuda de US$ 600 por semana aos desempregados, que expirou na sexta-feira e é um dos pontos de discordância nas negociações em curso.