CVM acusa ex-executivos da Vale em processo sobre Brumadinho

Divulgação: barragem de mineração

São Paulo – A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) apura eventuais irregularidades relativas à “possível inobservância de deveres fiduciários de administradores da Vale pelos fatos relacionados ao rompimento da Barragem 1 da Mina Córrego do Feijão, em Brumadinho, em Minas Gerais”, em janeiro de 2019.

Os executivos acusados pela autarquia neste processo são o ex-presidente da companhia, Fabio Schvartsman, e o ex-diretor-executivo de ferrosos e carvão da Vale, Gerd Peter Poppinga.

O processo foi aberto em agosto de 2019, segundo dados disponíveis no site do órgão.

Em 25 de janeiro de 2019, o rompimento da barragem da Mina Córrego do Feijão, em Brumadinho causou um gigantesco vazamento de lama de rejeitos de minério de ferro, que atingiu o centro administrativo da empresa, imóveis da comunidade, o rio Paraopeba, afluente do São Francisco e matou mais de 270 pessoas.