CVC divulga resultados não auditados de 2019 já com ajustes

123
Foto: Afonso Lima / freeimages.com

São Paulo – A CVC Viagens divulgou os resultados financeiros de 2019, não auditados, após concluir o processo de revisão e conciliação de sua escrituração contábil por conta da identificação de distorções em determinadas contas contábeis, inclusive em relação a exercícios anteriores.

Com isso, a empresa encerrou o ano de 2019 com lucro líquido de R$ 47 milhões, queda de 65,3% na comparação com 2018. A receita líquida de vendas subiu 14,6% na mesma base de comparação, para R$ 1,7 bilhão.

De acordo com a operadora, a alta da receita líquida do período foi em função da aquisição dos ativos na Argentina no final de 2018, bem como da Esferatur no Brasil em abril do ano passado.

No ano, as despesas de vendas atingiram R$ 290,6 milhões, um crescimento de 23,6% em comparação a 2018, em função de maiores gastos com marketing. As despesas gerais e administrativas, por sua vez, cresceram 16,8% em comparação ao ano anterior, totalizando R$ 653,2 milhões, devido a maior estrutura administrativa advinda das aquisições feitas no período e aumento do custo de mão de obra pelos ajustes salariais no período.

O resultado financeiro líquido da CVC totalizou uma despesa de R$ 225,8 milhões em 2019 em comparação a R$193,4 milhões em 2018, devido principalmente ao aumento do endividamento líquido médio no período.

A CVC afirmou que os resultados não auditados contemplam os ajustes decorrentes das distorções identificadas ao longo do processo de revisão e reconciliação da escrituração contábil no valor de R$ 362,384 milhões.

Do total, R$ 93,8 milhões foram referentes ao exercício de 2019, causando redução na receita líquida consolidada de R$ 88,566 milhões e aumento da despesa consolidada de variação cambial de R$ 5,263 milhões.

Outros R$ 135,109 milhões referentes a 2018, causando redução na receita líquida consolidada de R$ 127,248 milhões e aumento da despesa consolidada de variação cambial de R$ 7,861 milhões, e R$ 133,446 milhões de 2018, causando redução do patrimônio líquido no mesmo montante.

A empresa ressaltou que os ajustes contábeis não terão impacto sobre a geração e os saldos de caixa reportados nas demonstrações financeiras, uma vez que o capital de giro reportado no período seria diminuído no mesmo montante e os valores foram devidamente transferidos aos fornecedores.

O impacto no lucro líquido dos ajustes indicados foi reduzido pelo lançamento de crédito referente à recuperação de impostos de renda e contribuição social que foram pagos indevidamente, estimados pela companhia em R$ 55 milhões.