Cosan projeta R$ 6 bilhões em sinergias com aquisição da Biosev

186

São Paulo – A Cosan disse que a compra da Biosev resultará em sinergias de R$ 6 bilhões em dez anos, em matéria-prima e logística, em teleconferência para investidores sobre a transação.

“Essa estrutura nos dá muita flexibilidade para expandir a produção, entregar o açúcar quando o cliente precisar e oferecer melhores margens e menos commoditização, podemos fazer hedge nos preços”, disse Phillipe Casale, gerente executivo de relações com investidores da Cosan.

A combinação entre as empresas resultará numa operação com 15% de participação do mercado Centro-Sul de moagem e biomassa de cana-de-açúcar, ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) de R$ 5,2 bilhões e capex de R$ 4 bilhões, em números de 2019/2020.

A Cosan destacou como diferenciais para atuar no mercado de cana-de-açúcar a sua estrutura totalmente integrada de produção, serviço, logística e o seu alcance global e atribuiu a escolha da Biosev à qualidade dos seus ativos, localização das usinas (com destaque para a região de Ribeirão Preto, em São Paulo), capacidade de produção, custo mais baixo de produção, mix de açúcar e etanol.

“Esse é o momento certo para investir em bioenergia e essa á a planta (cana-de-açúcar) certa e a Cosan é a empresa certa para essa aquisição.”

Segundo os executivos da empresa, a Cosan está recebendo a Biosev sem dívidas, com a alocação de R$ 3,6 bilhões na empresa.

A operação também deverá ser aprovada pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) e está sujeita a outras condições societárias, que serão discutidas essa semana com os acionistas.

AQUISIÇÃO

A Cosan informou que sua controlada Raízen Energia celebrou contrato de compra da Biosev e a Hédera Investimentos e Participações na qualidade de acionista controladora. A empresa concordou em adquirir até 100% das ações de emissão da Biosev.

Ainda segundo a Cosan, a compra é uma combinação de negócios envolvendo uma troca de ações, com emissão de 3,5% de ações preferenciais da Raízen e o pagamento R$3,6 bilhões para refinanciamento da dívida da Hédera.

“Após a conclusão da operação, a alavancagem da Raízen, medida pelo índice dívida líquida/ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização), será preservada. Adicionalmente, haverá emissão de 1,4999% em ações resgatáveis, por um valor simbólico, e uma estrutura de Earn-out, com objetivo de dividir eventuais variações no preço de açúcar e etanol”, disse a empresa em comunicado

A empresa também informou que as ações resgatáveis e o earn-out deixarão de existir quando ocorrer um evento de liquidez da Raízen.

AÇÕES SOBEM

As ações da Cosan estão entre as maiores altas de hoje no Ibovespa após o anúncio da compra da Biosev. Às 15h10 (horário de Brasília) os papéis (CSAN3) subiam 6,87%, a R$
84,15.