CoronaVac atinge índices mínimos da Anvisa, diz governo de São Paulo

310
Foto: Brian Hoskins / freeimages.com

Brasília – A CoronaVac, vacina contra a covid-19 desenvolvida pela chinesa Sinovac em parceria com o Instituto Butantan, atingiu índices mínimos exigidos pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para o processo de imunização da população, segundo o  secretário da Saúde do governo de São Paulo, Jean Gorinchteyn.

“Atingimos a superioridade da eficácia da vacina do Instituto Butantan com a Sinovac. Atingiu-se aí os índices exigidos tanto pela Anvisa quanto ANS [Agência Nacional de Saúde Suplementar] nos estudos de fase 3”, disse ele em entrevista coletiva.

“Isso permitirá com que evitemos a morte de milhares de pessoas não só aqui no país, mas em todo mundo. Diminuiremos a ocupação dos leitos das unidades de terapia intensiva e aí sim poderemos resgatar tanto a economia quanto nossos sonhos e poderemos abraçar e beijar todos aqueles que não pudemos ao longo de todo o ano”, acrescentou Gorinchteyn.

A expectativa era de que o governo de São Paulo anunciasse hoje mais dados sobre a Coronavac, incluindo a eficácia do imunizante. No entanto, na coletiva de hoje, as autoridades indicaram que não há data prevista para essa divulgação.

O governador de São Paulo, João Doria, havia declarado no início do mês que pretendia iniciar a vacinação da população paulista contra a covid-19 a partir de 25 de janeiro. Para que isso aconteça é necessário que o Instituto Butantan envie relatório à Anvisa e que o órgão aprove o uso do imunizante.