Conselhos do GPA e Sendas aprovam reorganização societária

122

São Paulo – Os conselhos de administração do Grupo Pão de Açúcar (GPA) e da sua subsidiária Sendas aprovaram a proposta de reorganização societária que visa segregar a unidade de cash and carry (atividade de atacado de autosserviço), explorada sob a marca Assaí pela Sendas, das demais atividades de varejo tradicional, exploradas pelo Pão de Açúcar.

A proposta de reorganização societária, que ainda será submetida à aprovação dos acionistas em assembleias gerais extraordinárias de ambas as companhias no dia 31 de dezembro de 2020, envolve a cisão parcial da Sendas com o objetivo de segregar a participação de Sendas em Almacenes Éxito (Éxito) e transferir certos ativos operacionais, com a incorporação do acervo cindido
pelo GPA.

A assembleia também discutirá a cisão parcial da GPA, visando segregar a totalidade da participação acionária que a empresa detém da Sendas, com a entrega das ações de emissão de Sendas de propriedade do GPA diretamente aos acionistas do GPA.

A AGE ainda definirá o aumento de capital da Sendas no montante total de R$ 684,6 milhões, que serão destinados ao capital social de Sendas e R$ 56,99 à reserva de capital da Sendas.

O aumento será realizado em bens, dinheiro e créditos, sendo R$ 44,5 milhões mediante a entrega do acervo líquido de ativos de lojas para futura exploração da Sendas, R$ 500 milhões em dinheiro e R$ 140,1 milhões mediante a capitalização de créditos detidos por CBD, a ser deliberado na AGE de Sendas que aprovará a Cisão Sendas e a Cisão CBD.

A Sendas obteve em 11 de dezembro o registro de companhia aberta na categoria A junto à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e apresentou um pedido para que suas ações sejam listadas no Novo Mercado da B3, além disso, apresentará um pedido para que seus American Depositary Securities (ADSs) sejam listados na New York Stock Exchange (Nyse).

A previsão é que a distribuição das ações e ADSs da Sendas aos acionistas e detentores de ADSs do GPA ocorrerá após as listagens, antes do final do primeiro trimestre de 2021. As ações do GPA continuarão a ser negociadas com direito ao recebimento das ações de Sendas até a data de corte, que, uma vez determinada, será informada ao mercado.

A administração do GPA e de Sendas estimam que os custos de realização da reorganização serão de, aproximadamente, R$130 milhões, incluindo as despesas com publicações, auditores, avaliadores, advogados, assessores financeiros e demais profissionais contratados, sendo que esse valor será suportado igualmente por cada uma das companhias.